Volta às aulas: uma boa hora para repensar seu transporte

Paulistanos retornam à rotina de congestionamentos causados pelo excesso de veículos nas ruas

 

 

As aulas estão voltando e, com elas, cerca de 760 mil veículos também retornam às ruas da cidade de São Paulo. O número é alto e evidencia o contraste entre a ocupação das ruas e avenidas da cidade no período de férias e no de aulas. Segundo estimativa da CET – Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo, o número de viagens realizadas dentro da cidade durante o período letivo, aumenta em torno de 20% se comparado ao período de férias, fazendo com que o volume de veículos em circulação chegue a aproximadamente 3,8 milhões por dia.

O fenômeno, que se repete a cada ano com o reinício do calendário escolar, também se deve à volta das atividades de empresas e instituições, e reaviva a percepção sobre o problema da crescente quantidade de veículos na cidade. Por isso, a volta às aulas é uma ótima oportunidade para refletir sobre a escolha dos meios de transporte.

Imagine quanto a população teria a ganhar se fosse possível manter durante todo o ano um volume menor de carros nas ruas! Optar preferencialmente por meio de transporte coletivo, compartilhado ou alternativo, reduz o volume de carros que circulam nas ruas muitas vezes somente com uma única pessoa, e pode ser um jeito fácil e acessível de promover essa mudança. Hoje, em São Paulo, é preciso de 127 automóveis para transportar a quantidade de pessoas que um único ônibus articulado pode levar. Além da fluidez no tráfego, teríamos mais segurança e espaço para quem anda a pé ou de bicicleta, e contaríamos com a melhora da condição do ar e com a diminuição da poluição sonora. De acordo com dados da Secretaria de Transportes da cidade, 90% da poluição atmosférica de São Paulo tem origem no setor de transporte. Se o uso individual do automóvel não fosse a primeira opção da lista, os paulistanos, assim como os moradores de outras grandes cidades, também ganhariam melhor qualidade de vida com a redução do estresse e das horas gastas no trânsito.

Diante da ausência de infraestrutura em algumas cidades que suporte o número crescente de veículos individuais e dos impactos ambientais negativos que essa escolha causa nas grandes metrópoles, antes de dar a partida no carro – o que já se faz muitas vezes de forma automática – valeria se perguntar: o automóvel é a minha melhor opção? “A prioridade dada à mobilidade motorizada individual está nos levando, pouco a pouco, a um colapso urbano de proporções nunca vistas. É preciso que cidadãos, consumidores, poder público e setor produtivo reflitam, planejem e implantem opções coletivas e compartilhadas para o transporte, evitando que nossos já tão mal tratados espaços públicos urbanos se tornem grandes estacionamentos a céu aberto”, alerta Helio Mattar, diretor-presidente do Akatu.

Priorizar o transporte coletivo ou pensar em formas mais inteligentes, eficientes e econômicas de locomoção, por meio da organização de caronas e trajetos a pé, ou ainda optar pelas vans escolares e similares, são exemplos de ações individuais que ajudam a economizar tempo, combustível e transtornos acumulados diariamente nos engarrafamentos. Essas ações individuais contribuem para um movimento a favor do bem-estar coletivo. Consumir transporte de forma consciente é optar pelas alternativas já existentes e pressionar para que elas ganhem qualidade e quantidade, quando necessário. Demandar melhores soluções do poder público é também uma ação do consumidor consciente.

Fluxo das pessoas é o mais importante
Garantir a circulação, o conforto e o bem-estar de quem mora nas cidades, independentemente do meio de transporte que esqcolher, deve ser o foco das ações de mobilidade urbana. A pé, de bicicleta, trem, carro, ônibus ou metrô: a prioridade é o fluxo das pessoas.

Assista ao vídeo  “A Evolução dos Transportes”, dirigido por Elvio Cavalcante. Em linguagem descontraída, a animação mostra, inclusive de forma numérica, o tamanho da evolução no uso do transporte individual e os impactos decorrentes, assim como os benefícios de compatibilizar o interesse individual e o bem-estar coletivo ao tratar do tema do trânsito em São Paulo.

Leia também:
– Por uma grande campanha a favor de um transporte consciente, por Helio Mattar
Siga no twitter.
Curta no facebook.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: