Vendendo e conscientizando

Projeto em parceria entre o Akatu e o Instituto Realice pretende que as revendedoras da rede multipliquem o conceito do consumo consciente

Um projeto em parceria entre o Akatu e o Instituto Realice pretende sensibilizar e capacitar as promotoras da rede, que atuam na venda direta de artesanato proveniente de comunidades de baixa renda, para o consumo consciente. O objetivo é que as 42 revendedoras participantes do projeto se tornem, durante as atividades de venda, multiplicadoras do conceito e das práticas de consumo consciente junto às clientes finais.

O Akatu promoverá o processo de capacitação das revendedoras em junho e a expectativa do Instituto Realice é que, já no mês seguinte, as consultoras de venda direta estejam desenvolvendo o trabalho de conscientização para o consumo consciente porta a porta. Até o fim do ano, o Instituto Realice espera contar com mais de 130 consultoras no projeto.

As mercadorias, confeccionadas de modo ambientalmente correto, são feitas por 25 artesãos de comunidades de baixa renda da região metropolitana do Rio de Janeiro. O catálogo de produtos do projeto contém itens que vão de roupas a objetos de decoração, além de artigos de cama, mesa e banho.

Segundo Alice Freitas, idealizadora do projeto e coordenadora executiva do Instituto Realice, a vantagem é que a revendedora vai levar pessoalmente ao consumidor não só as informações sobre o produto, como também os impactos positivos e negativos daquela compra, tornando-a assim uma compra consciente. “O principal problema dos grupos de artesãos é que eles não conseguem escoar toda a produção. Nós vamos tentar trazer maior constância às vendas deles”, conta Alice Freitas.

O consumidor, ao adquirir esse tipo de produto, contribui para aumentar a renda de pequenos produtores e fortalecer a economia solidária, sem abrir mão da beleza ou da qualidade do produto. Assim, estimula a produção ecologicamente correta e incentiva outras empresas e produtores a agirem da mesma forma.

O Instituto Realice foi fundado em 2003, com o objetivo de trabalhar a geração de renda em comunidades populares do Rio de Janeiro, aproximando-as do mercado e incentivando a produção como meio alternativo de subsistência.

Se você quiser seguir o Akatu no Twitter, clique aqui

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: