Três capitais brasileiras ganham prêmio internacional de transporte sustentável

São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte foram as escolhidas na premiação Sustainable Transport Award

Ciclovia da Marginal Pinheiros, em São Paulo. Crédito: Creative commons/Rafael Taminato Hirata

 

Comentário Akatu: A cultura da mobilidade individual e o uso excessivo de automóveis pioram a qualidade de vida da população, especialmente nas grandes cidades. São os principais responsáveis pela poluição do ar e pelo aquecimento global, além de trazer outros problemas como poluição sonora e desperdício de tempo em congestionamentos. Priorizar o transporte público, principalmente o ônibus, e outros alternativos, como as bicicletas (mostrados na reportagem abaixo), é importante para alcançar uma solução realmente sustentável e de longo prazo.

 

Três capitais brasileiras ganharam o prêmio internacional de transporte sustentável, o  Sustainable Transport Award: São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. É a primeira vez que o Brasil conquista uma premiação como essa. A cerimônia, que ocorreu no dia 13 de janeiro em Washington,  contou com representantes das prefeituras das cidades premiadas.

O prêmio, organizado pelo ITDP (Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento) há 10 anos, tem como objetivo mostrar iniciativas para melhorar a mobilidade de pedestres, ciclistas e usuários do transporte público. Também ações que promovam a redução da emissão de gases do efeito estufa.

São Paulo ganhou a condecoração por implantar 150 quilômetros de ciclovias e 460 quilômetros de faixas de ônibus nos últimos dois anos. Isso fez com que aumentasse em 21%, em média, a velocidade dos ônibus. Outro motivo foi a aprovação do novo Plano Diretor, que, entre as propostas está a de acabar com a exigência de garagens em construções novas.

O Rio de Janeiro recebeu a premiação por causa do investimento em transporte de alta capacidade, em especial o BRT Transcarioca, corredor rápido de ônibus com 39 quilômetros e que transporta cerca de 270 mil passageiros diariamente.

Belo Horizonte também teve destaque na premiação por construir dois novos corredores rápidos de ônibus, com 23 quilômetros. Também por fazer mudanças no centro da cidade, como a criação de  27 quilômetros de ciclovias e a proibição de tráfego de veículos em determinadas ruas.

(Com informações do site do ITDP).

 

Leia mais:

Pesquisa mostra que paulistanos apoiam as faixas de ônibus e as ciclovias

É possível existir cidades sem automóveis?

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: