Site registra recusa de mais de 1 milhão de sacolas plásticas descartáveis

Campanha promovida pelo site Planeta sustentável permite que consumidores registrem cada sacola plástica descartável recusada

 

Quantas sacolas plásticas descartáveis você recusa por dia? Uma, duas, cinco, dez? Não importa o número. Se você é a favor da redução do consumo do material, pode se juntar aos internautas que usam seu testemunho para incentivar a reflexão sobre a importância de recusar sacolas plásticas descartáveis. Para isso, sempre que você recusar uma unidade acesse o site do Planeta Sustentável e faça esse número crescer. Lançado em agosto de 2009, o contador registrou em março último mais de 1 milhão de sacolas plásticas descartáveis que deixaram de ser usadas.

“Não somos radicais, não estamos propondo o banimento das sacolas plásticas. O que queremos é que as pessoas pensem a respeito e reduzam o uso, além de pressionar os fabricantes a desenvolverem alternativas mais sustentáveis na produção das sacolas”, explica Matthew Shirts, coordenador do Planeta Sustentável.

Dados do Ministério do Meio Ambiente (MMA) – que desde junho de 2009 mantém uma campanha de incentivo à redução do uso de sacolas plásticas descartáveis e que já evitou o consumo de mais de 600 milhões de unidades em todo o Brasil – indicam que cada brasileiro usa em média 66 sacolas por mês. Isso significa que, por ano, uma pessoa utiliza quase 800 sacolas. Em uma cidade como São Paulo, por exemplo, se forem alinhadas todas as sacolas utilizadas por seus 10 milhões de moradores no período de quatro dias, a quantidade será suficiente para dar uma volta completa ao redor da Terra.

As sacolas plásticas descartadas incorretamente entopem bueiros, poluem rios, lagos e mares. Dados do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) indicam que sacolas plásticas estão chegando a locais distantes, considerados paraísos ecológicos e turísticos, causando sérios danos ao ecossistema.

Sacolasplásticas viram sacos de lixo
Uma pesquisa realizada pelo Ibope, em São Paulo, revelou que 100% dos consumidores entrevistados reutilizam as sacolas plásticas em casa como sacos de lixo. Para Ana Maria Luz, presidente do Instituto GEA, instituição que promove a cidadania através da educação ambiental, o uso de sacolas plásticas para o acondicionamento do lixo comum é um jeito de prolongar a vida útil do material, “o que já é bastante positivo”, garante.

Além disso, essa prática faz com que esse material seja descartado em aterros sanitários ou lixões e não em vias públicas, o que traria danos como entupimento de bueiros e as conseqüentes enchentes. “O que faz da sacola plástica uma vilã para o meio ambiente são o uso e o descarte incorretos”, defende Ana Maria.

Dicas para ajudar você a recusar ou usar corretamente sacolas plásticas descartáveis:

  • Caso ainda não tenha adquirido sua sacola própria durável, ao fazer suas compras, pegue apenas a quantidade de sacolas plásticas descartáveis adequada às compras, não em excesso;
  • Sempre reutilize as sacolas plásticas descartáveis em casa;
  • Se não reutilizar, encaminhe-as para reciclagem;
  • Descubra alternativas para a sacola plástica, como a sacola própria durável;
  • Procure carregar as pequenas compras, como revistas ou caixa de remédios, na própria bolsa ou na mochila, dispensando o uso da sacola plástica descartável;
  • Para as compras maiores, além da sacola própria durável, são boas opções o velho carrinho de feira ou caixas de papelão que o próprio supermercado pode oferecer;

Reduza a quantidade de lixo que você produz em casa. Assim, precisará de menos sacos plásticos para descartá-lo. Uma forma de diminuir a quantidade de lixo é evitar produtos com excesso de embalagem. Outra maneira é evitar o desperdício de alimentos, o que se consegue com atitudes simples como: planejar o cardápio da semana, planejar as compras e reaproveitar as sobras das refeições.

Se você quiser seguir o Akatu no Twitter, clique aqui.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: