Sistema B, um movimento de empresas que visam benefícios sociais e ambientais

Companhias com esse perfil são agentes de transformação, promovendo o desenvolvimento inclusivo e facilitando o consumo consciente

Foto: Sistema B/ Reprodução Facebook

Ok, ter lucro é fundamental. Mas será que é apenas isso? Já existe no mundo empresas que visam, ao mesmo tempo e com o mesmo nível de importância, lucro, sustentabilidade ambiental e bem-estar da sociedade. São as chamadas Empresas Sistema B.

Elas fazem parte de um movimento global, criado pelo B Lab nos Estados Unidos, em 2006, que usa os negócios para a construção de um ecossistema econômico diferente, mais resiliente, compartilhado e inclusivo. “A ideia é que sejam as melhores empresas PARA o mundo e não apenas as melhores DO mundo”, afirma Lucy Freitas, analista de comunicação e eventos do Sistema B no Brasil, organização responsável pelo engajamento, divulgação e promoção do movimento aqui e na América Latina.

“B” vem da palavra inglesa “benefit”, que se refere aos benefícios sociais que as empresas podem oferecer. E esse conceito vem crescendo cada vez mais no mundo. Atualmente existem 3.246 companhias com a certificação do Sistema B espalhadas pelo planeta. “Todas estão comprometidas com um plano de desenvolvimento contínuo, que sai da lógica de mitigação de impacto negativo para a de geração de impacto positivo. Usam a força dos seus negócios para a construção de uma nova economia. Ser uma Empresa B não é uma posição, mas sim uma direção” explica Lucy.

Uma direção que atende aos que praticam o consumo consciente e estilos de vida mais saudáveis. Tais companhias estão bem alinhadas com as perspectivas do consumidor atual: pesquisa recente do Akatu mostra que 60% dos consumidores brasileiros acreditam que é papel das empresas não apenas seguir o que as leis determinam, mas contribuir para o desenvolvimento das sociedades. Além disso, conhecer os impactos sociais e ambientais da empresa é uma barreira apontada por 28% dos consumidores para a prática de um consumo mais consciente. Uma empresa é certificada como B se ela causa melhores impactos tanto sociais quanto ambientais.

Como se tornar uma Empresa B?

Foto: Reprodução/Uol

Para ter a certificação de Empresa Sistema B é preciso passar por um rigoroso processo. A companhia deve, num primeiro momento, preencher a Avaliação de Impacto B, uma ferramenta confidencial, online e gratuita desenvolvida pelo B Lab. Nela, as candidatas são analisadas em cinco quesitos: Governança, Colaboradores, Meio Ambiente, Comunidade e Clientes.

Ao preencher 100% desse questionário, a empresa recebe uma pontuação de 0 a 200. Caso esteja acima de 80 pontos, ela estará elegível a iniciar o processo de certificação junto ao B Lab Standards Trust. E não basta apenas passar na seleção inicial. Para manter o selo, a cada dois anos é preciso provar que suas práticas e políticas de sustentabilidade estão avançando.

Sistema B no Brasil

Foto: Natura/divulgação

O movimento no Brasil também está em constante crescimento e já são 165 companhias certificadas. Uma delas é a Natura, primeira empresa de capital aberto no mundo a ganhar o selo do Sistema B. Ela também é a primeira da América Latina a contabilizar o impacto dos negócios no meio ambiente e na sociedade por meio da metodologia internacional de contabilidade ambiental EP&L, que analisa todas as etapas de vida dos produtos, contabilizando, por exemplo, o uso e a poluição da água, a emissão de gases de efeito estufa e de poluentes no ar. “Além de ser uma ferramenta pioneira para orientar decisões estratégicas, o EP&L confirmou o impacto positivo de iniciativas adotadas, como o uso de ativos da biodiversidade amazônica nos produtos”, conta Lucy.

Outra empresa que abraçou a causa foi a Mãe Terra. Ela cumpriu com o compromisso de rejeitar químicos e usar matéria-prima 100% integral. É, ainda, a maior compradora de produtos orgânicos do país e desenvolve uma cadeia de valor inclusiva, priorizando a agricultura familiar.

Mais um exemplo bacana é o Programa Vivenda, que está revolucionando o mercado de reformas para baixa renda por meio do modelo de negócio “one-stop shop” em comunidades. Isso significa que o programa cuida de tudo: do projeto da reforma ao crédito para seu financiamento, passando pelo material e a mão de obra. Cerca de ⅔ do faturamento fica na própria comunidade – e o programa foi financiado por meio da primeira debênture de impacto no Brasil.

Uma vez que as Empresas B têm em seu DNA a geração de impactos positivos para o meio ambiente e a sociedade, consumir seus produtos e/ou serviços é consumir de forma mais consciente, ajudando a construir um mundo melhor, mais sustentável e inclusivo. Vamos nessa?

Dê uma olhadinha na lista de todas as empresas brasileiras certificadas no site do Sistema B e faça uma boa escolha!

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: