Sinais dos oceanos

Cientistas ao redor do mundo alertam para o recado enviado pelos mares

 

Foto: Creative Commons/Michael Matti

 

Comentário Akatu: há uma relação de interdependência ao longo da história entre a ação humana e o impacto sobre os ecossistemas e o comportamento climático. Com o aumento da temperatura e o consequente derretimento das calotas polares, o nível dos mares está se elevando e ameaçando populações, conforme mostra a reportagem abaixo, do blog da revista Página 22. Não é somente a poluição industrial que gera esse tipo de alteração climática: desmatamento, exploração pecuária em larga escala, utilização de meios de transportes movidos a combustíveis fósseis, e energias geradas de forma poluente também entram nessa lista. Se os consumidores são parte da origem do problema, também são parte de sua solução. Por meio de mudanças em suas práticas cotidianas, os consumidores se percebem como cidadãos e se empoderam, forçando as empresas a produzirem de forma mais limpa. Este novo comportamento e esta nova consciência são primordiais para reduzir o aquecimento global e suas consequências ruins ao clima do planeta.
Um dos argumentos mais repetidos sobre os impactos das mudanças climáticas é a ameaça de elevação de nível dos mares, pelo derretimento das calotas polares. Este não é um indicador desprezível, certamente, como bem alertaram as nações insulares que participaram da COP 21. Um caso recente e dramático é do Atol de Biquini, parte das Ilhas Marshall, que gerou pedido aos Estados Unidos para abrigar toda a sua população, uma vez que já não vê condições de perpetuação na ilha constantemente invadida pelas águas do mar. O caso noticiado pela BBC aponta para o contexto de deslocamentos humanos forçados por impactos ambientais que deve se tornar mais frequente com as mudanças climáticas.

Indicadores de outra natureza têm sido apresentados pela mídia e por uma rede de cientistas ao redor do mundo, mostrando que as mensagens vindas dos oceanos vão muito além do nível das águas. O aumento da temperatura no Pacífico Norte é um deles, conforme alerta da National Oceanic and Atmospheric Administration dos EUA, registrado pela Rolling Stone ). A reportagem destaca depoimento de cientistas e pescadores classificando o fenômeno como “jamais visto antes” e ilustra um amontoado de morsas em uma das poucas praias do Ártico que restaram para descanso durante o degelo de 2015.

A Universidade de Southern California já identificou também uma disrupção no ritmo reprodutivo da bactéria thricodesmium, em decorrência das mudanças climáticas. Segundo reportagem da Scientific American, essa bactéria é fundamental para a vida marinha pois converte nitrogênio da atmosfera em uma forma de nitrogênio que pode ser absorvida pela cadeia alimentar.

Um estudo do ARC Centre of Excellence for Coral Rief Studies da Universidade de Queensland, Austrália, mostra que toda a biodiversidade marinha está sendo afetada de modo geral e sofrerá impactos ainda maiores com o agravamento do aquecimento global. Publicado na Nature Climate Change e noticiado pelo Science Daily, o estudo aponta, entre os desdobramentos, a migração de espécies para outras regiões, impondo nova competição e predação a espécies já existentes ali.  Também fala em menos diferenciação de comunidades biológicas de uma mesma região, o que pode causar o declínio de espécies.

E ainda o relatório da agência norte-americana NOAA, que mostra a forte queda nos estoques pesqueiros, segundo matéria do The Sault. Entre as razões, a redução do fitoplancton – alimento que é base para a maioria dos filhotes de peixes. O Atlântico Norte é apontado como o local onde este efeito das mudanças climáticas está mais intenso.

Mas a ciência ainda não tem uma noção completa do comportamento dos oceanos frente à mudança do clima, o que traz mais incertezas sobre o futuro. Um exemplo vem de estudo publicado na Science e noticiado pelo The Guardian. Pesquisadores constataram um novo ciclo de absorção de carbono no oceano do hemisfério Sul do planeta, um dos principais sumidouros de gases de efeito estufa da Terra.

Outra descoberta que traz uma certa esperança em relação ao sequestro de carbono veio de uma pesquisa feita com bactérias Thiomicrospira crunogena, encontradas nas profundezas do oceano. Cientistas da UF College of Medicine descobriram que ela produz anidrase carbônica, uma enzima que ajuda a remover dióxido de carbono de organismos. A ideia é estudar a aplicação dessas bactérias em processos industriais para reduzir a emissão de CO2, explica matéria do Tech Times.

Enquanto essa e outras soluções não se concretizam, os oceanos seguem o processo de aquecimento das águas e de acidificação e os sinais se multiplicam à velocidade da Internet.

Leia mais:

5 evidências das mudanças climáticas no Brasil

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: