Se transporte público fosse de qualidade, 52% dos paulistanos aceitariam nem ter carro

76% dizem que deixariam o veículo em casa se a rede pública cobrisse bem a cidade e os coletivos fossem adequados e seguros

Atualmente, 76% dos paulistanos que utilizam carro diariamente ou quase todos os dias deixariam o veículo em casa se houvesse uma boa alternativa de mobilidade coletiva. E há os de opção mais radical: 52% se dizem dispostos a trocá-lo em definitivo pelo transporte público, nem ter carro, com o objetivo de melhorar a situação do meio ambiente. Em 2009, essa proporção era de 40%. Os dados são de uma pesquisa realizada pelo Ibope Inteligência para o Movimento Nossa São Paulo (MNSP), divulgada na quinta-feira (16/9). Ainda segundo o estudo, 67% afirmam que o sistema de transporte público deveria ter atenção prioritária do governo. O nível de desaprovação da fluidez do trânsito também é alto: 68% dos entrevistados consideram a situação atual ruim ou péssima. O tempo médio gasto no trânsito para realizar todos os deslocamentos diários é de 2 horas e 42 minutos. Ou seja, a cada mês, os paulistanos perdem dois dias e seis horas se deslocando de um lugar para outro.

Diante desse caos, cai a proporção dos que acham que o transporte individual deveria ser prioridade das políticas públicas. Em 2009, 10% dos entrevistados ainda defendiam priorizar os carros; neste ano, são 5%. Entre os sistemas de transporte coletivo que deveriam recebem mais atenção e investimentos públicos, segundo os dados, estão metrô e trem – mencionados por 68% das pessoas pesquisadas – e corredor de ônibus – citado por 42%. Clique aqui para ler a pesquisa completa.

“É a sociedade demandando uma grande mudança, por parte das autoridades, em relação ao transporte e à mobilidade. Quero acreditar que esses dados serão considerados na hora de fazer planos e tomar decisões”, disse Oded Grajew, coordenador do Movimento Nossa São Paulo. Para Helio Mattar, diretor-presidente do Instituto Akatu, os resultados da pesquisa podem ser entendidos como um recado dos consumidores. “Eles estão dizendo claramente que, havendo um sistema de transporte coletivo capaz de satisfazer às suas necessidades de locomoção, eles optariam por ele, em vez do transporte individual, que se mostra cada vez mais insustentável.” Atualmente, metade da população que mora na cidade de São Paulo possui um automóvel no domicílio. Em média, há mais de um carro (1,4) de passeio em cada residência na cidade, sendo que destes, 28% foram comprados no último ano. O levantamento foi realizado pelo Ibope entre os dias 25 e 30 de agosto e ouviu 805 paulistanos com 16 anos ou mais. A margem de erro estimada é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

O Akatu produziu uma Cartilha de Orientação para o Uso Consciente do Transporte. Baixe aqui a sua, distribua para os amigos e em suas redes sociais.

Se você quiser seguir o Akatu no Twitter, clique aqui.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: