Pnuma quer combater mudança climática por meio de energias renováveis

Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, lançou um esforço mundial para reduzir toneladas de emissões de dióxido de carbono

 Energia eólica é uma boa opção renovável. Crédito: Creative commons/David Urdin

 

Comentário Akatu: O aumento da concentração de dióxido de carbono na atmosfera é uma das principais responsáveis pelo crescente aquecimento global, por isso a importância da ação do Pnuma mencionada na reportagem abaixo. Esse problema sinaliza a relação de interdependência ao longo da história entre a ação humana e o impacto sobre os ecossistemas e o comportamento climático. Não é somente a poluição industrial que gera esse tipo de alteração climática: desmatamento, exploração pecuária em larga escala, utilização de meios de transportes movidos a combustíveis fósseis e energias geradas de forma poluente também entram nessa lista. Se os consumidores são parte da origem do problema, também são parte de sua solução. Por meio de mudanças em suas práticas cotidianas, os consumidores se percebem como cidadãos e se empoderam, forçando as empresas a produzirem de forma mais limpa. Este novo comportamento e esta nova consciência são primordiais para reduzir o aquecimento global e suas consequências ruins ao clima do planeta.

 

Uma coalizão coordenada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, lançou um esforço mundial para reduzir toneladas de emissões de dióxido de carbono, CO2, e para economizar gastos de bilhões de dólares. O anúncio foi feito ontem (dia 10), durante a Conferência sobre o Clima, COP 20, que está sendo realizada em Lima, Peru.

Economia
Segundo o Pnuma, a economia e os cortes serão feitos a partir de medições da redução das emissões que já estão ocorrendo em todo o mundo.

A coalizão informou que vários países em desenvolvimento têm, atualmente, projetos e programas em andamento para promover o uso de energia renovável e eficiência energética.

O grupo, que tem o apoio do governo da Noruega, disse que a maioria dos países que tem programas de energia renováveis não medem ou relatam publicamente as reduções dos gases que causam o efeito estufa.

A coalizão acredita que se medidas, estas reduções podem chegar a uma giga tonelada por ano até 2020.

Mudança Climática
O secretário-geral do Pnuma, Achim Steiner, afirmou que “a eficiência energética e a energia verde podem reduzir a ameaça da mudança climática, economizar dinheiro e ajudar a meta da Iniciativa de Energia Sustentável para Todos. Segundo ele, essa é uma forma de fornecer a todos os habitantes do planeta acesso a fontes de energia limpas e modernas.

Steiner citou estudo da Agência Internacional de Energia dizendo que a economia global pode economizar US$ 18 trilhões, mais de R$ 46 trilhões, até 2035 se o mundo adotar a eficiência energética como primeira opção. A redução das emissões de carbono pode alcançar entre 2,5 e 6,8 giga toneladas de carbono por ano.

A coalizão “1 Gigaton” encoraja todos os países em desenvolvimento a aumentarem os esforços para promover o uso de energia verde como uma contribuição para manter o aumento da temperatura global abaixo de 2º C.

O grupo menciona que uma mudança global em relação ao uso de aparelhos e equipamentos eletrodomésticos que gastam menos energia pode reduzir o consumo de eletricidade em mais de 10%, quer dizer, US$ 350 bilhões de dólares anualmente. A redução das emissões de CO2 pode chegar a 1,2 bilhões de toneladas por ano.

 

Leia mais:

China e EUA estabelecem novas metas para emissão de gases

A bolha global de carbono

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: