Pesquisa quantifica grau de consciência dos funcionários da Philips

Os resultados servirão de subsídio para definir ações de disseminação do consumo consciente na empresa

O Instituto Akatu e a Philips realizaram, em outubro, uma pesquisa interna para avaliar o grau de consciência como consumidores dos funcionários da sede administrativa da empresa, em São Paulo. O conhecimento obtido por essa pesquisa servirá de subsídio para a elaboração de ações para disseminar o consumo consciente na comunidade Philips.

Os resultados indicaram que a distribuição entre os diversos tipos de consumidores na Philips é semelhante à do Brasil, conforme pesquisa realizada pelo Akatu em 2004. No entanto, a presença de conscientes e comprometidos na empresa é um pouco menor: são 34%, contra 43% da população brasileira. Já os iniciantes são 63% na empresa, ao passo que, no Brasil, esta categoria representa 54% da população. A pesquisa mostrou também que a assimilação da noção da relação entre meio ambiente e consumo é bastante desenvolvida entre os funcionários, mas, por outro lado, há também uma assimilação menor da dimensão social dos atos de consumo.

No total, 468 membros da comunidade responderam ao Teste de Consumo Consciente (TCC), um questionário com 13 perguntas sobre práticas de consumo consciente. Quem pratica de 11 a 13 desses comportamentos é considerado um consumidor consciente. Em seguida, na classificação, vêm os comprometidos (com oito a dez práticas), os iniciantes (três a sete práticas) e os indiferentes (até duas práticas).

Numa segunda etapa, foi fornecido aos colaboradores da empresa um outro questionário, Indicadores Akatu para Consumo Consciente (ICCs). Este questionário, mais detalhado e com 44 perguntas (incluindo as 13 do TCC), foi respondido por 254 pessoas.

Utilização dos ICCs

Das questões propostas pelos ICCs, 20 referem-se a “valores”, ou seja, pedem concordância ou discordância do público em relação a conceitos e opiniões sobre temas de consumo consciente, como por exemplo a necessidade de preservação do meio ambiente e o significado de modismos na formação da identidade. Nesse aspecto, 79% das respostas foram consideradas positivas, o que significa boa assimilação por parte da comunidade Philips. Esse número está 10 pontos percentuais acima da assimilação de uma amostra de consumidores conscientes e comprometidos, reunidos por meio de uma pesquisa publicada em 2005 pelo Akatu.

Ainda dentro dos ICCs, 24 questões fazem referência a “comportamentos”, isto é, questionam os consumidores em relação às ações efetivamente realizadas, como pedir nota fiscal ou não deixar a luz acesa em ambientes desocupados. As respostas positivas da comunidade Philips ficaram em 47%, abaixo da taxa de respostas positivas (59%) dos consumidores conscientes e comprometidos da pesquisa do Akatu.

De acordo com o gerente de Projetos Especiais do Akatu, Aron Belinky, a assimilação de valores maior do que a de comportamentos entre os funcionários indica que há necessidade de transformar as idéias em ações práticas.

Se você quiser seguir o Akatu no twitter, clique aqui

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: