Painel solar de aquecimento de água chega às construções populares

A CDHU anuncia a construção de 48 mil casas equipadas com painel solar

A Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU) está construindo empreendimentos imobiliários populares utilizando a energia solar como tecnologia de aquecimento da água. A idéia é construir, até o final de 2008, cerca de 48 mil casas equipadas com painéis solares. A tecnologia barateia a construção dos imóveis, reduz a conta de energia elétrica dos moradores e ainda contribui para a sustentabilidade da vida no planeta, uma vez que não há emissões de gás carbônico provocadas pelo uso de energia elétrica no processo de aquecimento da água.

De acordo com o Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), um chuveiro elétrico é responsável por 25% a 35% do gasto de eletricidade de uma casa e apresenta um consumo médio mensal de 120 kWh, considerando um chuveiro de 3500 W, com 40 minutos de uso por dia (quatro banhos diários de 10 minutos cada). Esse volume de energia elétrica, para ser produzido, lança cerca de 31 quilos de dióxido de carbono (CO2) na a atmosfera. Em um ano, essa emissão sobe para mais de 11 mil quilos, o equivalente à emissão de um carro movido a gasolina, com motor até 1.4 de potência, ao andar 72 mil quilômetros, ou percorrendo oito vezes todo o litoral brasileiro.

O anúncio da instalação de painéis solares nas habitações do CDHU se deu na mesma época em que se tornou lei, no Município de São Paulo, a inclusão do equipamento nas novas edificações da capital paulista. A tecnologia é uma alternativa econômica e ambientalmente positiva para o consumidor, que pode tomar banho com o mesmo conforto, mas com menos consumo de energia e menores emissões de gases de efeito estufa. Se o consumidor, além disso, reduzir o tempo de uso da água corrente durante o banho (fechando a torneira para se ensaboar, por exemplo) estará tomando o que se poderia chamar de um “banho sustentável”.

Segundo cálculos do Departamento Nacional de Aquecimento Solar (Dasol) e da Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento, a instalação de painéis solares no Brasil evitou, em 2006, a emissão de mais de 200 mil toneladas de CO2 na atmosfera, o equivalente à absorção de CO2 em uma área igual a 3,5 Parques do Ibirapuera plantados com árvores nativas da Mata Atlântica e que levariam 37 anos de crescimento para concluir a tarefa. Ainda segundo o Dasol, a tecnologia solar para aquecimento da água economizou 1,7 bilhão de reais referente ao investimento que seria necessário em uma usina hidrelétrica de mais de 550 MW  para atender a demanda no horário de pico se não houvesse o uso dos painéis solares.

Para quem usa aquecimento elétrico no chuveiro e não tem a possibilidade de fazer a substituição por painéis solares, o Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) dá algumas dicas de economia de energia no banho:

• Nos dias quentes, coloque o chuveiro na posição “Verão”. Nesta posição o consumo será cerca de 30% menor do que na posição “inverno“.
• Compre um chuveiro menos potente (até 80% mais barato) e reduza a sua conta de luz entre 30% e 40%, segundo cálculos da CDHU.
• Deixe o chuveiro ligado somente o tempo necessário para o banho; os banhos demorados contribuem mais para o aquecimento do planeta, além de custar mais caro.
• Nunca reaproveite uma resistência queimada, pois isso provoca o aumento do consumo e coloca em risco a sua segurança.

Se você quiser seguir o Akatu no Twitter, clique aqui.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: