Pactos empresariais querem ampliar e fortalecer negócios mais sustentáveis

Instituições privadas, do setor público, grupos da sociedade civil e ONG´s assinam os compromissos voluntariamente; consumidor pode consultar a lista dos signatários para embasar escolhas de consumo

Desde 2005, diversas empresas, entidades do setor público e da sociedade civil brasileira vêm realizando voluntariamente ações concretas com objetivo de ampliar e fortalecer o ambiente de negócios mais sustentáveis no país. Compromissos com a erradicação do trabalho escravo e da corrupção e o incentivo à exploração responsável de produtos provenientes da Amazônia já foram firmados em forma de pactos entre os diversos setores de atividade econômica.

Ao assinarem esses compromissos, as entidades declaram automaticamente à sociedade que estão dispostas a combater práticas contrárias a um desenvolvimento que seja sustentável, justo e ético.

Clique em cada um dos pactos abaixo para saber mais detalhes e consultar a lista das respectivas empresas signatárias:

Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo

Pacto Empresarial pela Integridade e Contra a Corrupção

Pacto Setorial da Madeira

Pacto Setorial da Pecuária

Pacto Setorial da Soja

“Podem aderir aos pactos quaisquer empresas ou entidades, ainda que a princípio elas não reúnam todos os requisitos exigidos por cada pacto”, explica Caio Magri, gerente-executivo de Políticas Públicas do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, entidade ligada à criação dos pactos. “Mas para permanecerem como signatárias elas precisão comprovar periodicamente e por meio de documentos que fizeram progressos no cumprimento das exigências de cada compromisso”, completa.

Segundo Magri, o mais importante é que esses pactos refletem a disposição do empresariado em não ter seus negócios relacionados ao trabalho escravo, à corrupção ou à degradação ambiental. “Essa disponibilidade fica clara a partir do momento em que ninguém é obrigado a assinar nenhum dos documentos, todos o fazem voluntariamente”.

Para Hélio Mattar, diretor-presidente do Instituto Akatu, “os pactos são mais uma ferramenta que podem ajudar o consumidor a fazer escolhas mais conscientes de consumo, valorizando e comprando preferencialmente de empresas que desenvolvem modelos de gestão mais responsáveis sob o ponto de vista social, econômico e ambiental”.

O Instituto Akatu é signatário e faz parte do Comitê de Acompanhamento dos Pactos da Madeira, Pecuária e Soja. É também signatário do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo.

Se você quiser seguir o Akatu no Twitter, clique aqui.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: