Pacto Global da ONU: Seis princípios empresariais para alimentos e agricultura

Princípios são resultado de um processo que incluiu mais de mil empresas, agências da ONU e organizações da sociedade civil comprometidas com os temas da agricultura, nutrição e sistemas alimentares

O setor privado é um parceiro fundamental para os governos e outros atores na elaboração e entrega de soluções eficientes, escaláveis e práticas para tornar os sistemas alimentares mais seguros e a agricultura mais sustentável.

Para avançar o impacto positivo que os negócios podem ter neste contexto, o Pacto Global das Nações Unidas facilitou o desenvolvimento dos Princípios Empresariais para Alimentos e Agricultura (PEAA) para servir como uma estrutura de colaboração baseada em princípios de empresas com a ONU, governos, sociedade civil e outras partes interessadas.

Com o objetivo de promover o desenvolvimento sustentável, os PEAA oferecem um conjunto de resultados esperados e ações que as empresas podem tomar para se alinhar com os objetivos da ONU, como foi articulado no documento final da Rio +20, O Futuro que Queremos, e com a aproximação da nova agenda de desenvolvimento pós-2015.

Os PEAA são resultado de um processo amplo e inclusivo com diversos atores, que envolveu 20 consultas globalmente e incluiu mais de mil empresas, agências da ONU e organizações da sociedade civil comprometidas com os temas da agricultura, nutrição e sistemas alimentares.

PROMOVER SEGURANÇA ALIMENTAR, SAÚDE E NUTRIÇÃO
As empresas devem desenvolver sistemas agrícolas e de alimentos que otimizam a produção e minimizam o desperdício, a fim de fornecer nutrição e promover a saúde para todas as pessoas no planeta.

SER AMBIENTALMENTE RESPONSÁVEL
As empresas devem apoiar a intensificação sustentável dos sistemas de alimentação para atender às necessidades globais de gestão de agricultura, pecuária, pesca e silvicultura de forma responsável. Elas devem proteger e melhorar o meio ambiente e usar os recursos naturais de forma eficiente e otimizada.

GARANTIR VIABILIDADE ECONÔMICA E COMPARTILHAR VALORES
As empresas devem criar, entregar e compartilhar valores ao longo de toda a cadeia de alimentos e agricultura dos agricultores aos consumidores.

RESPEITAR OS DIREITOS HUMANOS, CRIAR TRABALHO DIGNO E AJUDAR AS COMUNIDADES RURAIS A PROSPERAREM
As empresas devem respeitar os direitos dos agricultores, trabalhadores e consumidores. Elas devem contribuir para melhorar a vida dessas pessoas, promover e fornecer oportunidades iguais a fim de que as comunidades se tornem atrativas para se morar, trabalhar e investir.

INCENTIVAR A BOA GOVERNANÇA E A RESPONSABILIDADE
As empresas devem respeitar as leis e atuar de forma responsável, respeitando os direitos da terra e dos recursos naturais, evitando a corrupção, sendo transparentes sobre suas atividades e reconhecendo seus impactos.

PROMOVER O ACESSO E A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO, HABILIDADES E TECNOLOGIA
As empresas devem promover o acesso à informação, conhecimento e habilidades para sistemas agrícolas e de alimentos mais sustentáveis. Elas devem investir no desenvolvimento de capacidades dos pequenos agricultores e de pequenas e médias empresas (PMEs), bem como em práticas mais eficazes e novas tecnologias.

Como as empresas podem utilizar os princípios

As empresas signatárias do Pacto Global da ONU do setor de agricultura e alimentos são convidadas a se comprometerem com os princípios e a apresentarem avanços no COP – Communication on Progress.

As empresas e outras partes interessadas não são obrigadas a assinar os princípios. Através do COP, as organizações irão demonstrar como se alinharam com as políticas e práticas dos PEAA, bem como suas atividades e realizações que contribuem para enfrentar os desafios globais de segurança alimentar e agricultura sustentável.

(Texto publicado originalmente no site EcoD)

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: