ONU lança dois vídeos da campanha A Pegada do Desperdício de Alimentos

Os filmes mostram quais são os custos da perda e do desperdício de alimentos, não apenas financeiros, mas também ambientais e sociais

Crédito: Divulgação FAO-ONU

 

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) divulgou dois vídeos que alertam sobre os custos e as perdas do desperdício de alimentos no mundo. Ambos fazem parte da campanha A Pegada do Desperdício de Alimentos (Food Wastage Footprint) da ONU.

O primeiro deles mostra dados alarmantes. A cada ano, um terço de todos os alimentos produzidos no planeta é perdido ou desperdiçado. E isso não significa apenas um prejuízo econômico, mas também uma perda de grande parte dos recursos naturais utilizados para cultiva, processar, embalar, transportar e vender esses alimentos. Cerca de 28% das terras agricultáveis do mundo abrigam colheitas que são desperdiçadas. Além disso, a água perdida no cultivo dessas lavouras corresponde a uma quantidade que poderia cobrir a necessidade de água de todas as residências do planeta! E tem mais: alimentos desperdiçados somam 3.3 giga toneladas de gases de efeito estufa, o que colabora para o aquecimento global.

O vídeo também chama a atenção para a necessidade de mudanças urgentes e propõe algumas soluções. Produtores de alimentos poderiam investir em melhores colheitas e tecnologias de armazenamento para evitar perdas. Varejistas poderiam reduzir preços dos vegetais imperfeitos e doar excedentes das lojas para aqueles que precisam. Consumidores individuais poderiam ser mais cuidadosos, utilizando melhores métodos para armazenar e reciclar sobras. Governos poderiam lançar campanhas de sensibilização para inspirar consumidores a tomarem todas as medidas que puderem para acabar com o desperdício de alimentos. Assista aqui ao vídeo 1

No segundo vídeo, a FAO revela especificamente as perdas financeiras com o desperdício de alimentos. A cada ano, 30% da produção mundial de alimentos é perdida após a colheita ou desperdiçada em lojas, domicílios ou serviços de bufê. Isso representa 750 bilhões de dólares em alimentos por ano. A preço de varejo, o valor chega a um trilhão de dólares. O filme mostra alguns exemplos das contas de cada prejuízo em dólares:  água usada para irrigação (172 milhões), florestas desmatadas e erosão dos solos (73 milhões), redução de espécies da biodiversidade (32 milhões). Além disso, há os custos que não podem ser calculados, como a perda de pântanos que purificam a água.

Esse filme, assim como o primeiro, também dá sugestões de como evitar esse grande problema. Além de repetir algumas dicas, também propõe, por exemplo, usar resíduos de alimentos para produzir biogás, ao invés de jogá-los em aterros sanitários. Assista aqui ao vídeo 2.

O Instituto Akatu também acredita que o desperdício de alimentos deve ser evitado máximo, já que a produção consome muitos recursos do ambiente, como mostram os dois vídeos da FAO. A redução de desperdício deve ser buscada nas etapas de plantio, armazenagem, processamento, distribuição de alimentos e no consumo final. Cada consumidor pode fazer a sua parte, com pequenas mudanças em suas práticas cotidianas. Adotar como critérios para a compra não só o preço, mas também a qualidade, a origem, as informações sobre os impactos sociais e ambientais causados pela empresa fabricante, pode trazer grandes benefícios para sua saúde, para a sociedade e para o meio ambiente.

 

Leia mais:

Alimentos produzidos e não consumidos: ONU lança guia visual sobre o desperdício

FAO quer reduzir desperdício de alimentos no Brasil

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: