Moda consciente: saiba como guardar e organizar as suas roupas para usá-las melhor

Faça uma limpeza no seu guarda-roupas periodicamente, para não deixar encostadas as peças que você não quer mais e fazer o melhor uso das que você já tem

Arte: Alê Kalko

 

Organizar bem o guarda-roupas tem tudo a ver com consumo consciente. “É importante abrir o armário e visualizar todos os itens. Isso facilita a escolha do que usar, doar e também do que realmente precisa comprar”, afirma Juliana Faria, organizadora pessoal e proprietária da empresa Yru Organizer, em São Paulo. Veja a seguir dicas preciosas da especialista para manter seu closet sempre arrumadinho e fazer um bom uso das suas roupas:

 

• Para guardar suas roupas de forma que fiquem bem preservadas, o primeiro passo é higienizar o guarda-roupa. Deixe-o completamente vazio. Em um borrifador, coloque água e 12 gotas de detergente transparente ou sabão de coco líquido. Borrife a solução em todo o armário. Em seguida, passe um pano limpo para retirar a sujeira e secar. Caso o móvel seja de madeira, borrife a solução diretamente no pano, deixando-o levemente úmido, e passe-o nas superfícies. Tudo ficará limpinho, evitando mofo e bolor.

• O próximo passo é separar as peças que você costuma usar (estas voltarão para seu guarda-roupa) daquelas que estão encostadas há meses ou que não servem mais. O que fazer com elas? Se estiverem em boas condições, você poderá vendê-las ou doá-las. Se estiverem em péssimo estado, faça o encaminhamento correto! O material têxtil na maioria das vezes pode ser reaproveitado.

• Na hora de organizar as peças menores, como meias, roupas íntimas e acessórios em geral (cintos, relógios, joias), separe-as por categorias. “Esses pequenos itens devem morar em espaços confinados, como colmeias ou divisórias, para que não fiquem misturados e bagunçados nas gavetas”, sugere Juliana. Mas é importante escolher bem o tipo de material desses compartimentos. Valem até caixas de papelão, desde que elas tenham “respiros”, ou seja, furinhos que deixem o ar entrar.

• No caso das peças que você costuma usar no dia a dia (como jeans, camisetas, blusas), o ideal é separá-las por categorias e guardá-las dobradas em prateleiras visíveis. Algumas peças – aquelas que não se deformam em função de seu peso – também podem ficar penduradas em cabides, para não amassar. O importante é tudo estar ao alcance da sua visão.

• As roupas de uso menos frequente podem ser guardadas nas partes mais altas do armário. Evite colocá-las em capas de plásticos, como aquelas usadas em lavanderias. O material retém calor, favorecendo o surgimento de mofo. O ideal são os modelos feitos de tecidos respiráveis, como o TNT ou o algodão cru. “Uma boa ideia é utilizar sacos especiais que permitem embalar as roupas a vácuo ou caixas, para que as peças não fiquem empoeiradas”, lembra a especialista.

• No caso de malhas e tricôs – geralmente usados apenas em alguns meses do ano – a dica é: não pendurá-los em cabides, assim não ficarão deformados. Prefira dobrá-los e também mantê-los em prateleiras.

• E as saias e os vestidos? Ao contrário das malhas, essas peças devem ficar penduradas no guarda-roupa, assim não ficarão amarrotadas. Lembre-se de colocar apenas um item por cabide porque o que não é visto costuma a não ser usado.

• Os ternos e as camisas sociais masculinas também devem ser pendurados. Os cabides que sustentam os jogos de paletó e calça precisam ser adequados para esse tipo de roupa. Opte pelas versões mais largas nas laterais, adequadas ao corte do terno masculino. Não cubra com capas de plástico, prefira capas feitas de tecidos arejados.

• Os sapatos podem ser guardados em sapateiras. Se você quiser mantê-los em suas caixas originais, faça furinhos nelas, assim os calçados poderão “respirar”, evitando a formação de mofo.

• As bolsas ficam mais visíveis quando colocadas em prateleiras. É recomendável deixá-las de pé, preenchidas com plástico-bolha ou papel de seda, assim, elas ganham sustentação e não se deformam.

• Roupas de cama e de banho também merecem cuidados. O melhor jeito de guardá-las é agrupar por jogos em vez de modelos avulsos, sempre dobradas em prateleiras. As que acabaram de ser lavadas devem ficar na parte de baixo da pilha para fazer o rodízio entre elas. E atenção: “Jamais deixe as toalhas secando no banheiro, pois correm o risco de mofarem por causa da umidade”, alerta a especialista.

• Quer descobrir quais peças serão realmente usadas com frequência? Então faça o teste recomendado por Juliana. “Coloque etiquetas adesivas em todos os itens do seu armário. Escreva em cada uma delas o mês e o ano (por exemplo: abril/2018). Após um ano, observe todas as peças. Fica fácil identificar as que você não usa, pois ainda estarão com a etiqueta”. Será que vale a pena ainda mantê-las no armário ou é melhor doá-las? Pense nisso!

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: