Microsoft vai repor mais água do que consome até 2030

Assim como em nossos outros compromissos ambientais, esperamos que esses passos ajudem a contribuir para um movimento crescente a fim de atender às necessidades de sustentabilidade do mundo

A água é essencial para a vida. Dependemos disso para nossa sobrevivência. A necessidade básica moldou como as sociedades humanas avançaram ao longo do tempo. Os exploradores dos tempos pré-colombianos e da antiguidade até os exploradores da NASA seguiram o lema “siga a água”, pois buscaram e continuam buscando descobrir novas oportunidades para a expansão da civilização humana.

Embora a água seja abundante – cobrindo 70% da superfície da Terra – 97% dessa água é salgada, localizada em nossos oceanos, e não é adequada para beber ou usar para o cultivo. A água doce do mundo não é igualmente distribuída ou acessível e é encontrada desproporcionalmente em lugares onde as pessoas não vivem. E à medida que a civilização humana se expandiu, alcançamos o ponto global em que a humanidade esgota o suprimento de água doce disponível a uma taxa de 4,3 trilhões de metros cúbicos a cada ano – a maioria dos quais vai para usos agrícolas e industriais.

Isso precisa mudar. É por isso que estamos anunciando um compromisso ambicioso para que a Microsoft seja positiva para o consumo de água em nossas operações diretas até 2030. Estamos lidando com nosso consumo de água de duas maneiras: reduzindo a intensidade do uso de água – ou a água que usamos por megawatt de energia usado para nossas operações – e reabastecimento nas regiões com escassez de água em que operamos. Isso significa que em 2030 a Microsoft irá repor mais água do que consome globalmente.

Assim como em nossos outros compromissos ambientais, esperamos que esses passos ajudem a contribuir para um movimento crescente a fim de atender às necessidades de sustentabilidade do mundo.

Mais impulso é claramente necessário. Atualmente, de acordo com a Água das Nações Unidas (UN-Water), mais de dois bilhões de pessoas não têm acesso a água potável. E as mudanças climáticas estão apenas intensificando essa escassez de água. A UN estima que uma em cada quatro pessoas pode viver em um país afetado pela escassez crônica de água doce até 2050. De acordo com o Banco Mundial, esta redução na disponibilidade de água doce induzida pelo clima, juntamente com o aumento da demanda, poderia reduzir a disponibilidade de água nas cidades em mais de 66% até 2050.

Superar a crise mundial da água exigirá uma redução na quantidade de água que os humanos usam para operar as economias e sociedades, bem como um esforço concentrado para garantir que haja água suficiente nos lugares em que ela é mais necessária. Isso exigirá uma transformação na forma como gerenciamos nossos sistemas de água e um esforço conjunto para que todas as organizações prestem contas e equilibrem seu uso de água. Como uma empresa de tecnologia global, a Microsoft está preparada para atuar em ambas as questões, assumindo a responsabilidade pelo nosso próprio uso de água e fazendo parcerias para ajudar outros a fazer o mesmo a partir de plataformas tecnológicas.

No ano passado, comprometemos a Microsoft a se tornar uma empresa de carbono negativo e desperdício zero, que está construindo uma nova plataforma de computação planetária para transformar a maneira como monitoramos, modelamos e, por fim, gerenciamos os sistemas naturais da Terra. Nossa promessa hoje com relação ao consumo de água adiciona um quarto pilar a esse trabalho. E, como em nossas outras áreas, estamos comprometidos não apenas em definir metas ambiciosas para nós mesmos, mas em usar a tecnologia para ajudar melhor nossos clientes a fazerem o mesmo

Positivos em água até 2030

Até 2030 seremos positivos em água, o que significa que reporemos mais água do que usaremos. Faremos isso colocando de volta mais água em bacias com escassez do que a nossa quantidade de consumo global de água em todas as bacias. A quantidade devolvida será determinada pela quantidade de água que usamos e quão escassa está a bacia.

Nossa estratégia de reposição incluirá investimentos em projetos como restauração de pântanos e remoção de superfícies impermeáveis como asfalto, o que ajudará a repor a água nas bacias que mais precisam. Concentraremos nossos esforços de reposição em cerca de 40 bacias altamente escassas onde temos operações. Isso reflete uma avaliação baseada na ciência das bacias hidrográficas do mundo. A maior parte da água doce do mundo é dividida em 16.396 bacias, cada uma das quais com uma pontuação de acordo com o “parâmetro de escassez hídrica” do World Resources Institute (WRI), uma organização líder em pesquisa global sem fins lucrativos que se concentra em recursos naturais. Uma bacia é considerada “altamente escassa” se a quantidade de água retirada exceder 40% do fornecimento renovável. Globalmente, existem 4.717 bacias que se enquadram nesta categoria.

Todo esse trabalho se baseará em nossos investimentos contínuos e avançará na redução e reposição de água em nossas operações. Isso inclui um padrão de sustentabilidade em toda a Microsoft que exige a conservação de água em todos os locais do mundo. Isso inclui:

  • Nosso novo campus no Vale do Silício, a ser inaugurado no final deste ano na Califórnia, apresenta um sistema de coleta de água da chuva no local e uma estação de tratamento de resíduos para garantir que 100% da água não potável do local venha de fontes recicladas no local. Um sistema integrado de gestão de água irá gerenciar e reutilizar as águas pluviais e residuais. Ao reciclar nossa água, o campus economizará cerca de 4,3 milhões de galões de água potável por ano.
  • Quase do outro lado do mundo, nosso novo campus em Herzliya, Israel, possui encanamentos que economizam água e aumentam a economia de água em 35%. Além disso, 100% da água coletada dos ar-condicionados será usada para regar as plantas no local.
  • Na Índia, nosso prédio mais novo no campus de Hyderabad suportará 100% do tratamento e reutilização de águas residuais no local para paisagismo, descarga e para a torre de resfriamento.
  • No redesenho da nossa sede em Puget Sound, todos os novos edifícios reutilizarão a água da chuva coletada em instalações de descarga e em sistemas de baixo fluxo. O local foi projetado para economizar mais de 5,8 milhões de galões anualmente.
  • Em nossa nova região de datacenter no Arizona, disponível para uso em 2021, estamos inovando na redução da intensidade do uso de água e na sua reposição tendo em vista que a água nesta região é altamente escassa. Usaremos água zero para resfriamento por mais da metade do ano, aproveitando um método chamado resfriamento adiabático, que usa ar externo em vez de água para resfriamento quando as temperaturas estão abaixo de 85 graus Fahrenheit (29º C). Quando as temperaturas estão acima de 85 graus, um sistema de resfriamento evaporativo é usado, agindo como um “swamp cooler” (equipamento de refrigeração evaporativo) que você encontra em residências. Esse sistema é altamente eficiente, usando menos eletricidade e até 90% menos água do que outros sistemas de resfriamento à base de água, como torres de resfriamento. Também estamos fazendo parceria com a First Solar para fornecer energia solar em vez da geração tradicional de eletricidade, que deve economizar mais de 350 milhões de litros de água anualmente.

Nossa redução na intensidade do uso da água e nossos compromissos de reposição abordam a questão-chave da disponibilidade de água, que é a quantidade de água que pode ser usada para atender à demanda. Isso, no entanto, é apenas parte do desafio. Igualmente importante é a questão da acessibilidade, que é o fornecimento de água potável segura e saneamento. É por isso que estamos fazendo parceria com organizações não governamentais (ONGs) para garantir que mais de 1,5 milhão de pessoas tenham acesso a água potável e saneamento. Vamos concentrar esse trabalho em sete países. Começaremos fazendo parceria com a Water.org, uma organização sem fins lucrativos global com foco em comunidades carentes, para ajudar pessoas no Brasil, Índia, Indonésia e México. Em seguida, expandiremos esse trabalho com parceiros na China, Malásia e África do Sul.

Digitalizando dados de água

Também usaremos nossa tecnologia para entender melhor onde a escassez hídrica está emergindo e otimizar os investimentos em reposição de água em uma região. Por meio de nosso programa AI for Earth, estamos apoiando projetos em cada uma dessas áreas:

  • Vector Center trabalha com governos e empresas em todo o mundo para entender melhor o impacto da disponibilidade e acessibilidade da água. Um dos desafios que aborda é o risco e a escassez de água em comunidades urbanas onde os dados ainda são frequentemente analógicos, impressos e armazenados em pilhas. Assim, ele está digitalizando dados e desenvolvendo uma plataforma chamada Perception Reality Engine em Azure para coletar, correlacionar e analisar dados e produzir uma imagem geral do que realmente está acontecendo em tempo real a fim de identificar melhor como prevenir a ameaça de quando a água pode não estar mais acessível. O sistema também pode fornecer uma visão histórica da água em uma área específica. O Perception Reality Engine usa dados de precipitação, quantidade de água superficial, crescimento de plantas e entre outras variáveis para mapear a disponibilidade de água em todo o mundo e sinalizar onde as crises estão ocorrendo ou podem ocorrer em breve. Ele sobrepõe, ainda, essas informações com fontes de notícias e mídias sociais para determinar onde a percepção do público é diferente da realidade para que mudanças de governança, educação e comportamento possam ser feitas antes que a água acabe em uma região.
  • Freshwater Trust, uma organização sem fins lucrativos que protege e restaura ecossistemas de água doce, e a Upstream Tech, uma empresa que desenvolve soluções tecnológicas para a conservação da água, trabalharam juntos para desenvolver uma plataforma chamada BasinScout. Ela usa dados de satélite e de crescimento da safra, bem como práticas agrícolas e aplica o aprendizado de máquina para avaliar essas práticas em nível de campo e seu impacto nos recursos hídricos em escala, incluindo cenários sobre como ser mais eficiente em termos de água e custos. Isso ajuda a conservar e proteger as bacias hidrográficas que são as principais fontes de abastecimento público de água.
  • Conselho de Liderança para Justiça e Responsabilidade é uma organização sem fins lucrativos da Califórnia com foco no uso da terra e transporte em comunidades carentes. Está trabalhando para enfrentar o desafio da disponibilidade de água potável no Vale Central da Califórnia. Cerca de 1,5 milhão de pessoas na região dependem de poços domésticos privados para água potável, e muitos desses poços frequentemente falham durante a seca ou devido a problemas de gestão das águas subterrâneas. O Conselho de Liderança está usando IA para prever falhas em poços domésticos resultantes de mudanças no lençol freático e consequente escassez de água potável. Eles estão fornecendo essas informações para agências locais que podem usá-las para evitar falhas e melhorar a gestão e o planejamento dos recursos hídricos.

 

Investimento do Fundo de Inovação Climática: Emerald Technology Ventures

O Fundo de Inovação Climática da Microsoft está investindo US$ 10 milhões no Fundo de Impacto Global da Emerald Technology Ventures que totaliza US$ 100 milhões e cujos investidores também incluem Temasek, Ecolab e SKion. O fundo beneficiará empresas em estágio inicial de expansão de todo o mundo, impulsionando a inovação e sua adoção em tecnologias de água. Ele se concentrará em desafios urgentes, incluindo a conservação de recursos hídricos, melhoria da eficiência e qualidade da água, evitando emissões de carbono no tratamento de água e adaptação às mudanças climáticas. Este fundo é um dos poucos fundos focados exclusivamente na estratégia de água.

Este é o terceiro investimento que o Fundo de Inovação Climática fez em uma das quatro áreas de foco de sustentabilidade da empresa. O primeiro foi focado em carbono e o segundo em resíduos.

Capacitando nossos clientes

A Microsoft também está desenvolvendo soluções para ajudar os clientes a entender os riscos relacionados à água devido às mudanças climáticas; usar dados para reduzir o uso de água e tomar decisões mais inteligentes sobre a água; além de melhorar a qualidade e conservação da água. Tecnologias como IoT e IA estão desempenhando um papel crítico na melhoria da qualidade e eficiência da água. Por exemplo, os modelos de aplicativos governamentais do Azure IoT Central incluem monitoramento remoto e em tempo real da qualidade da água e monitoramento do consumo de água voltados para a sua redução.

 

  • Ecolab, fornecedora global líder de tecnologias e serviços de água, higiene e energia, é um cliente da Microsoft e um parceiro que está usando dados e tecnologia para ajudar seus clientes a serem mais eficientes e a usar menos água em suas operações. Os dados que a Ecolab coleta de mais de 42.000 sensores inteligentes de água conectados em todo o mundo são usados para fazer recomendações informadas para melhorar os processos e reduzir o consumo de água. Isso leva a um “ciclo virtuoso” de menos água, melhores resultados e custos operacionais muito mais baixos. Usando tecnologias Microsoft como Azure, Azure Machine Learning, Power BI e muito mais, a Ecolab está acelerando o uso zero de água em todo o mundo em setores como energia, agricultura, alimentos e bebidas, manufatura e hotelaria.
  • Schneider Electric (SE) fornece soluções digitais de energia e automação para eficiência e sustentabilidade; combinando tecnologias de energia líderes mundiais, automação em tempo real, software e serviços em soluções de integração. Recentemente, eles integraram soluções ao Azure para melhorar o gerenciamento de água e esgoto ao longo de seu ciclo, para operações otimizadas de água e resíduos, energia, segurança e sustentabilidade empresarial. Isso inclui trabalhos recentes para ajudar a restaurar a qualidade da água do Rio Bogotá com a expansão da estação de tratamento de águas residuais Salitre II. Trabalhando com a planta de tratamento de água de Bogotá, a maior da Colômbia e em execução pela Aqualia, novas tecnologias digitais estão tornando-a mais eficiente. O Rio Bogotá está poluído, o que ameaça o meio ambiente e a saúde dos 8 milhões de habitantes da cidade. A estação de tratamento de águas residuais é uma parte importante dos esforços de remediação.
  • Grundfos é uma empresa global de tecnologia da água com sede em Bjerringbro, Dinamarca. Eles são pioneiros em soluções para os desafios mundiais da água e do clima que melhoram a qualidade de vida das pessoas. A Grundfos utiliza a Microsoft para apoiar a transformação de seus negócios em soluções digitais e de água com os resultados esperados na melhoria da satisfação do cliente, aumento da inovação e excelência operacional. Duas metas ambiciosas de água são fornecer água potável gerenciada com segurança para 300 milhões de pessoas necessitadas e economizar 50 bilhões de metros cúbicos de água doce consumível até 2030, razão pela qual muitas inovações estão acontecendo. Fornecer água também significa reduzir a quantidade de energia necessária para aquecer as nossas cidades – nisso, entra o sistema Grundfos iGRID construído em Azure. Os serviços Azure, como o Hub IoT, são utilizados pelo iGRID para otimizar a distribuição de calor nas cidades a fim de economizar energia. A Grundfos pode reduzir as perdas de calor em 20%, o que significa que o iGRID no Azure reduzirá o uso de energia em nossas cidades, melhorando a longevidade de nossas redes existentes e reduzindo os custos para o cidadão comum.
  • Seequent é um cliente e parceiro da Microsoft com sede na Nova Zelândia. Eles contam com o Azure para conduzir seu trabalho geoespacial e geocientífico, incluindo um trabalho importante para lidar com a qualidade e quantidade da água com o Water Replenishment District (WRD), a maior agência de águas subterrâneas no estado da Califórnia. A área de serviço do WRD cobre uma região de 1.087,8 km² no sul do Condado de Los Angeles e é responsável por aproximadamente metade do abastecimento de água da região. O WRD está usando o Leapfrog Works da Seequent para criar modelos 3D das bacias hidrográficas locais, criando uma melhor compreensão do fluxo de água subterrânea e identificando a contaminação. Esses modelos estão ajudando o WRD a manter seu Programa Water Independence Now, que tornou a região sustentável usando recursos locais, incluindo tratamento avançado de água reciclada a fim de repor o abastecimento de água subterrânea.

Coalizão de Resiliência à Água

Entendemos que nenhuma empresa ou organização pode resolver a crise mundial da água. O setor privado também tem uma oportunidade significativa de ter um impacto positivo na disponibilidade e acessibilidade deste recurso: 150 das maiores empresas do mundo têm o potencial de influenciar um terço do uso global de água doce. Lançada no início deste ano, a Water Resilience Coalition (Coalizão de Resiliência à Água) é uma iniciativa do CEO Water Mandate do Pacto Global das Nações Unidas. Fundada por sete empresas, incluindo a Microsoft, a coalizão cresceu desde então para 16 corporações líderes da indústria, todas elas se comprometeram a trabalhar coletivamente em questões hídricas. Estamos trabalhando juntos para identificar bacias prioritárias para a ação coletiva e para estabelecer metas para melhorar as condições nessas bacias. Como parte de nossas metas de água, faremos parceria com os membros da Water Resilience Coalition para co-investir em projetos de disponibilidade, acessibilidade e qualidade em bacias hidrográficas em escassez e recrutaremos ativamente outras empresas para se juntarem a nós nesta importante coalizão.

Política

Os governos também desempenham um papel fundamental em garantir a disponibilidade de água potável segura e limpa, mantendo e expandindo a infra-estrutura de água, protegendo ecossistemas críticos da água e respondendo à crises hídricas. Usaremos nossa voz a nível local, nacional e global para que políticas públicas possam aumentar o acesso e a disponibilidade da água e melhorem sua qualidade.

Melhorando os dados em áreas de escassez hídrica: Não podemos resolver um problema que não compreendemos completamente.  Os governos deveriam desenvolver uma avaliação mais precisa e atualizada dos níveis de água subterrânea e da superfície e como eles estão mudando ao longo do tempo. Esses dados podem ajudar as partes interessadas locais a calcular e prever os balanços de demanda e fornecimento; rastrear a qualidade da água; facilitar a prevenção de desastres e sistemas de alerta precoce; e, por fim, desenvolver soluções inovadoras. Estamos animados para ver os planos da União Europeia para criar um banco de dados a partir do Acordo Verde Europeu Comum, como parte da Estratégia Europeia para Dados, que visa aproveitar o potencial dos dados ambientais para ajudar a alcançar os ambiciosos objetivos climáticos da região. Para apoiar tais esforços, a Microsoft trabalhará com parceiros para implantar ferramentas que forneçam melhores dados hidrológicos que permitam uma melhor gestão da água.

Atualizando a Infraestrutura de Água: Precisamos que os governos invistam na melhoria e expansão da infraestrutura de água. Isto é fundamental para fornecer água potável segura, tratar tempestades e águas residuais, gerenciar os níveis de água e proteger contra impactos climáticos, particularmente nas comunidades mais vulneráveis. Estes investimentos também podem proporcionar a criação de empregos muito necessários. Os governos nacionais devem buscar oportunidades para integrar a infraestrutura de água aos pacotes de recuperação da COVID-19 e promover soluções inovadoras. Aplaudimos a UE por incluir a infraestrutura verde relacionada à água no Programa InvestEU, bem como o recente esforço bipartidário do Congresso dos Estados Unidos por considerar a reautorização de financiamento de infraestrutura crítica da água.  Incentivaremos os governos nacionais a priorizar estes investimentos críticos nos próximos meses e anos.

Integrando a água nas estratégias climáticas: A água é o principal meio pelo qual a mudança climática será sentida. Como tal, precisamos que o governo enfrente os desafios climáticos e hídricos de uma forma mais integrada. Uma maneira de fazer isso é através das metas de longo prazo que os países estabelecem como parte de seus planos climáticos nacionais ou pelas Contribuições Pretendidas Determinadas Nacionalmente (Intended Nationally Determined Contributions – INDCs) sob os acordos climáticos de Paris. Enquanto os governos nacionais trabalham para atualizar seus planos climáticos de 2030, antes da COP26, a conferência climática anual da ONU, em 2021, eles devem incluir uma meta explícita relacionada à água em suas estratégias de mitigação e adaptação climática.

Para ajudar no avanço desses esforços políticos, nos juntaremos à WaterEurope para promover soluções inteligentes para a água e incentivaremos nossas outras associações comerciais e parceiros de defesa nos EUA e na União Europeia a desempenhar um papel mais ativo na defesa dessas políticas.

Alistando nossos funcionários

Como fizemos com cada um de nossos compromissos anteriores de sustentabilidade, alistaremos nossos funcionários convidando-os a participar de oportunidades de voluntariado associadas aos projetos de reabastecimento nos quais estaremos investindo. Nossos funcionários já se voluntariaram com ONGs com as quais temos parcerias em projetos de reabastecimento de água, incluindo a restauração do Lago Sembakkam em Chennai, Índia; restauração de Crow Creek em Cheyenne, Wyoming; e, restauração de habitat ao longo do Rio Vermelho em Fargo, Dakota do Norte. Em regiões sem projetos ativos de reabastecimento, forneceremos informações sobre oportunidades de voluntariado com organizações sem fins lucrativos trabalhando em projetos hídricos em suas comunidades.

Embora nossos compromissos se concentrem na água doce, reconhecemos a necessidade de proteger os oceanos do mundo, que geram mais de 50% do oxigênio do mundo, absorvem metade do carbono produzido e são responsáveis por 80% da biodiversidade do planeta. Os oceanos também são críticos para nossa economia global e segurança alimentar, com mais de 100 milhões de lares dependentes da pesca para sua subsistência, e 3 bilhões de dependentes de frutos do mar como sua principal proteína.

Protegendo os oceanos do mundo

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD) estima que, até 2030, o valor da economia oceânica poderá exceder 3 trilhões de dólares e mais de 40 milhões de empregos. Para realizar este impacto econômico potencial, os setores privado e público e a sociedade civil devem trabalhar juntos para reverter o declínio da biodiversidade oceânica resultante da mudança climática, da poluição e da superexploração. Isso requer bons dados, governança e políticas, e inovações tecnológicas como sensores inteligentes, robôs autônomos, análise de dados e IA para melhor monitorar, modelar e gerenciar os oceanos.

É por isso que estamos nos unindo ao Centro para a Rede da Quarta Revolução Industrial do Fórum Econômico Mundial para inovação e tecnologia oceânica na Noruega (C4IR Ocean). Ela se dedica a usar dados, tecnologia e estruturas de governança para proteger os oceanos do mundo e aumentar a sustentabilidade das indústrias baseadas neles.

Ao contrário das estradas, os oceanos não foram adequadamente mapeados, portanto, não estamos tomando decisões informadas. Somos uma das organizações que trabalham com a C4IR Ocean em sua Plataforma de Dados Oceânicos. Esta plataforma global de código aberto dá aos cientistas de dados, desenvolvedores de aplicativos e planejadores espaciais marinhos acesso a dados provenientes de fontes históricas e em tempo real para desenvolver soluções para melhorar a saúde dos oceanos.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: