Maioria reduziria produção alimentar para preservar meio ambiente

Ideia de que o Código Florestal deve priorizar a manutenção das florestas e rios, mesmo que a medida prejudique a safra de alimentos, é defendida por 85% dos brasileiros

Na opinião da maioria dos brasileiros (85%), a reforma do Código Florestal aprovada no dia 24 de maio pela Câmara dos Deputados deveria priorizar a preservação das florestas e rios, ainda que, em alguns casos, isso prejudique a produção agropecuária, segundo levantamento do Instituto de Pesquisas Datafolha divulgada na sexta-feira, dia 10 de junho. A fatia que defende posição contrária à da maioria soma 10% e 5% não souberam responder a essa questão.

Confira aqui o que muda com o Novo Código Florestal.

Agora o texto da reforma do Código Florestal aguarda a aprovação dos senadores. Se passar no Senado, a presidente da República Dilma Rousseff – que já prometeu vetar o Código caso ele preveja anistia a desmatadores – terá apoio de 79% dos brasileiros, segundo a pesquisa Datafolha.

O levantamento mostra ainda que mais da metade da população (62%) tomou conhecimento da votação do último 24 de maio, quando os deputados aprovaram o relatório do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) e ainda a emenda 164, que autoriza a manutenção de atividades agropecuárias em áreas de preservação permanente (APPs).

Classificada pela presidente Dilma de “vergonhosa”, a emenda também é rejeitada por 91% da população – 66% defendem que apenas as culturas que fixam o solo devem ser mantidas, e 25% são a favor de retirar todos os cultivos das APPs.

Além disso, 77% acham que a discussão do código deve ser adiada para que a ciência possa se manifestar. A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e a Academia Brasileira de Ciências pedem que o Congresso espere dois anos para que todos os estudos técnicos sejam feitos.

Líder ruralista contesta resultado da pesquisa
Ao comentar os resultados da pesquisa, Roberto Smeraldi, diretor da Amigos da Terra – Amazônia Brasileira – uma das instituições que encomendou o levantamento – disse que “ a campanha extremada das lideranças ruralistas, insistindo que todos os agricultores estariam na ilegalidade aumentou a rejeição da população ao texto do Código”,

Para o deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), um dos líderes da bancada ruralista na Câmara, ou a população está mal informada ou a pesquisa foi dirigida. “A gente está tentando resolver um problema seriíssimo no país, e a opinião pública acha que estamos cometendo um crime, quando na verdade estamos salvando o país”, disse.

Encomendado pelas ONG´s Amigos da Terra – Amazônia Brasileira, Imaflora, Imazon, Instituto Socioambiental, SOS Mata Atlântica e WWF-Brasil, o estudo, com margem de erro de três pontos percentuais para mais ou para menos, ouviu 1.286 pessoas de todas as regiões e classes sociais entre 3 e 7 de junho.

Clique aqui para acessar a pesquisa completa.
Se você quiser seguir o Akatu no twitter, clique aqui.

 

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: