Lixo marinho custa milhões de dólares aos moradores da Califórnia

Além de danos ao meio ambiente, a poluição dos mares também pode causar prejuízos aos bolsos dos banhistas

Praia na Califórnia (EUA). Crédito: Creative commons/Tamara Evans

 

O lixo marinho causa enormes impactos negativos sobre os oceanos, a fauna e a flora aquáticas e a população costeira. E os prejuízos não param por aí. Uma nova pesquisa realizada pela  Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos (NOAA) revelou que esses detritos podem gerar custos econômicos significativos para os banhistas e para o comércio nos litorais.

O estudo mostrou que os residentes da cidade de Orange Country, na Califórnia (EUA), perdem milhões de dólares a cada ano ao trocar as praias locais, poluídas pelo lixo marinho, por outras mais limpas, que estão mais distantes e, por isso, exigem mais despesas com meios de transporte.

Os pesquisadores estimam que, se for reduzido o lixo marinho em 25% nas 31 praias da região, será possível economizar aproximadamente US$ 32 milhões ao longo de três meses de verão. Se a redução for de 50%, a economia subirá para US$ 67 milhões, já 75% menos detritos significarão poupar cerca de US$ 106 milhões. E se chegar a 100%, o que é o ideal, os californianos deixarão de gastar cerca de US$ 148 milhões.

A NOAA elaborou um modelo de custo de viagem que os economistas geralmente usam para estimar o valor gasto pelas pessoas com recreações em praias, lagos e parques. Incluiu também uma pesquisa de opinião com moradores de Orange City sobre o que determina a escolha de uma praia em comparação com as outras. As seis características citadas como as mais importantes foram: não ter lixo marinho (66%), a boa qualidade da água (66%), uma bonita vista (57%), estacionamento conveniente (49%), estacionamento gratuito ou barato (44%), localização perto de casa (39%). Com todos esses dados, os pesquisadores puderam calcular como os lixos marinhos poderiam influir nas perdas econômicas.

Os dados da pesquisa, as características das praias e os custos de viagem foram incorporados a esse modelo. A partir disso, os pesquisadores foram capazes de estimar como as mudanças nos níveis de detritos marinhos poderiam influenciar as perdas econômicas para esta área. Por exemplo, reduzir o lixo marinho em 75% em seis praias perto da saída do rio Los Angeles beneficiaria os frequentadores dessas praias em US $ 5 por viagem. Também aumentaria a visitação nesses locais em 43%. Tudo isso significaria um total de US $ 53 milhões em benefícios.

Interdependência

Quem são os causadores desse problema? Há uma evidente relação de interdependência ao longo da história entre a ação humana e o impacto sobre os ecossistemas. Os consumidores podem colaborar e ser parte da solução desse problema, por meio de mudanças em suas práticas cotidianas. O primeiro passo é bem simples: não jogar lixo nas praias e reduzir a produção de resíduos, independente se é morador da região ou turista.

Como cidadãos, todos podem pressionar as empresas para produzirem de forma mais limpa, evitando a poluição não só dos mares, mas também de rios e lagos. Este novo comportamento e esta nova consciência são primordiais para reduzir a poluição marinha e suas consequências ruins para nós.

Outra forma de contribuir é adotar o turismo sustentável. É importante consumir produtos e serviços de lazer, passeios e viagens de forma consciente e respeitosa. Respeito à natureza, às localidades e às comunidades visitadas, às espécies animais e vegetais encontradas ao longo do passeio estão entre as diretrizes do turismo sob essa perspectiva.

Leia mais:

Plásticos no oceano podem contaminar animais marinhos do planeta

Turismo sustentável: atividade que respeita o meio ambiente

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: