“Listas limpas” ajudam na hora da compra

listas limpas e os selos de qualidade auxiliam o consumidor a decidir sua compra, adicionando informações sobre aspectos sociais e ambientais da empresa nos produtos

Em reportagem divulgada em nosso último boletim, falamos sobre a Lista Suja do Trabalho Escravo e como os consumidores podem atuar para punir as empresas que cometem esse tipo de crime. Na ocasião, afirmamos que essa Lista Suja é uma vergonha nacional. Por outro lado, temos também as “listas limpas”, que, ao contrário, apontam as empresas que agem com responsabilidade socioambiental e merecem o reconhecimento do consumidor.

As listas limpas e os selos de qualidade certificados por ONGs, associações ou federações de determinados setores econômicos e pelo poder público ajudam o consumidor a decidir sua compra, adicionando informações sobre aspectos sociais e ambientais da atuação da empresa aos critérios tradicionais de decisão como preço, qualidade e inovação.

Um dos exemplos de compra em que os consumidores têm dúvidas é na hora de adquirir algum produto de madeira. A Abimóvel (Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário), por exemplo, não tem ainda um selo para os móveis que chegam ao varejo, mas recomenda às cerca de 16 mil empresas moveleiras do país – 90% micro, pequenas e médias indústrias – a usar madeira certificada.

A superintendente executiva da Abipa (Associação Brasileira da Indústria de Painéis de Madeira), Rosane Dill Donati, disse que as sete grandes fornecedoras de painéis de madeira usam matéria-prima de pinus e eucalipto retirada dos 500 mil hectares de florestas plantadas e certificadas do país.  Os associados da Abipa abastecem, nesta ordem, em volume de madeira: as indústrias de móveis, da construção civil, de embalagens, automobilística e de imagem e som. “Vinda da Abipa, com certeza, a madeira foi cortada em área de reflorestamento e não usou trabalho infantil ou escravo”, diz Rosane.

No Brasil, a certificação de madeira é feita pelo FSC (Forest Stewardship Council), por meio do Conselho Brasileiro de Manejo Florestal, e pelo Cerflor (Programa Brasileiro de Certificação Florestal), cujo órgão executivo é o Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial).

A necessidade dos chamados selos verdes surgiu na Europa, quando os consumidores passaram a questionar a procedência da madeira. O que logo impactou o mercado norte-americano e os exportadores de todo o mundo, inclusive do Brasil. Face à demanda do consumidor, as empresas buscaram se adequar às exigências da certificação.

O FSC promove dois tipos de certificação:

1. Certificação de Manejo Florestal, que garante a qualidade do manejo da floresta com o menor impacto ambiental e dentro de adequadas regras sociais e econômicas. O certificado é válido por cinco anos, sendo realizado pelo menos um monitoramento a cada ano.

2. Certificação da Cadeia de Custódia, que se aplica aos produtores que processam a matéria-prima de floresta certificada. As serrarias, os fabricantes e os designers que desejam utilizar o selo FSC em seu produto precisam obter o certificado para garantir a rastreabilidade da madeira, desde a floresta até o produto final.

O produto certificado não é necessariamente mais caro. Mas caso seja, a pesquisa “Como e por que os brasileiros praticam o consumo consciente”, feita em parceria pelo Instituto Akatu e a Faber-Castell no ano passado, mostrou que 37% dos consumidores brasileiros se dispõem a pagar um preço mais elevado por produtos reconhecidamente não-nocivos ao meio ambiente.

Compromissos sociais também somam pontos no olhar do consumidor. A mesma pesquisa de 2006 mostra que um em cada quatro entrevistados valoriza empresas que empregam deficientes físicos e 22% dos consumidores disseram premiar as que combatem ações nocivas aos trabalhadores, como o trabalho infantil.

Em contrapartida, 27% dos consumidores disseram punir empresas que praticam propaganda enganosa e 24% punem empresas ligadas a corrupção.
Atentos a esse comportamento do consumidor, o mercado financeiro, a indústria de alimentos e a agricultura orgânica, assim como os setores de eletrodomésticos e lâmpadas também possuem selos e certificações. Falaremos a respeito deles em outras reportagens.
Conheça uma lista de selos e certificações existentes no Brasil no site do Akatu (/).

Conheça algumas certificações

Akatu
/ (na barra à esquerda, clique em selos de qualidade)

Empresas e florestas certificadas no FSC
http://www.fsc.org.br/

Cerflor
http://www.inmetro.gov.br/qualidade/cerflor.asp

Se você quiser seguir o Akatu no twitter, clique aqui.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: