Imposto segue mais baixo para eletrodomésticos de menor gasto energético

Governo abre perspectivas de futuros incentivos para consumo eficiente de energia elétrica

Ao anunciar mais uma prorrogação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) menor sobre os produtos de linha branca — geladeiras, fogões, máquinas de lavar e tanquinhos —, o governo federal abriu perspectivas para novas medidas que estimulem investimentos em eficiência energética. “Quanto mais a contribuição para a poupança de energia, maior será o desconto que poderá ser dado em algum tributo. Não se espantem se futuramente tomarmos outras medidas tributárias que terão esse caráter”, afirmou Guido Mantega, Ministro da Fazenda, em entrevista coletiva à imprensa sobre a prorrogação da redução de IPI.

Foi a segunda prorrogação desde abril, quando a medida foi lançada. A novidade é que a redução do imposto continua a mesma apenas para os produtos de maior eficiência energética — ou seja, os que consomem menos. São aqueles que têm a letra “A” na etiqueta do Inmetro. Nas geladeiras classe “A”, por exemplo, a alíquota do IPI foi de 15% para 5% em abril, e continuará assim até 31 de janeiro. As geladeiras classe “B” passam agora a ter alíquota de 10%. Os demais produtos, menos eficientes, voltam à alíquota de 15%.

Para Marco Antonio Saidel, professor do grupo de estudos de energia da Escola Politécnica da USP, o governo está trilhando caminhos que vão levar a uma política estruturante de eficiência energética. “Essas políticas têm a capacidade de provocar a tendência de retirada gradual do mercado dos produtos que menos respondem a padrões de eficiência estabelecidos”, afirma Saidel. Mas, ele alerta: “a qualidade de eficiência não é imutável. Ela é dinâmica, evolui e, por isso, deve ser permanentemente avaliada”.

Segundo Saidel, ainda é cedo para que surjam os efeitos benéficos da medida, mas ele estima que haverá uma economia anual de 35 GWh por ano, quantidade de energia suficiente para alimentar 20 mil residências médias brasileiras no mesmo período.

As geladeiras mais eficientes, por exemplo, têm um enorme potencial de economia. Como ficam ligadas o tempo todo, estão entre os aparelhos domésticos que mais gastam energia, sendo responsáveis por 22% do consumo de eletricidade de uma casa, quase empatando com o “campeão” chuveiro. Uma geladeira classe “A”, que tenha o selo Procel , pode consumir metade da energia das menos eficientes, como ilustra essa reportagem veiculada pelo Jornal Nacional.

Maria Cecília Amaral, diretora executiva da Associação Brasileira de Empresas e Serviços de Conservação Energética (Abesco), apóia a medida do governo, mas acredita que “o governo precisa ser mais ambicioso em suas metas. Os benefícios que se esperam com essas medidas poderiam ser mais abrangentes e mais imediatos se os incentivos fossem estendidos à indústria do setor, para importação e produção de equipamentos industriais mais eficientes energeticamente”, afirma.

Para Heloisa Torres de Mello, Gerente de Operações do Instituto Akatu, a escolha de um produto que consome menos energia é o primeiro passo, mas não o único do consumidor consciente. “É importante que o consumidor perceba como as pequenas ações cotidianas têm um grande impacto ao longo do tempo. E que a economia de energia faz bem não apenas para seu bolso, mas para toda a sociedade e para o país”, afirma.

Veja abaixo algumas dicas do Instituto Akatu para economia de energia:

Banho sem desperdício
A maioria das casas no Brasil ainda tem chuveiro elétrico, e ele é o maior devorador de eletricidade dentro de uma casa, responsável por quase 25% do consumo. O jeito mais simples de economizar energia elétrica é regulá-lo na posição “inverno” somente quando estiver frio. E, é claro, passar menos tempo embaixo do chuveiro, fechando-o enquanto passa sabonete ou xampu. Ao diminuir o tempo do banho de 12 para 6 minutos, uma pessoa economiza energia suficiente para manter uma lâmpada acesa por 7 horas.

Geladeira mais econômica
Se sua geladeira tiver mais de 10 anos, vale a pena pensar em trocá-la por uma nova, pois as mais antigas consomem muito mais energia do que as novas. Se decidir comprar uma nova, prefira as que têm a nota “A” no selo do Procel. Usando a geladeira no dia-a-dia, seja nova ou antiga, evite ficar abrindo a porta o tempo todo, pois isso faz com que ela tenha de trabalhar mais para manter a temperatura fria. Pelo mesmo motivo, não deixe a porta muito tempo aberta enquanto escolhe o que quer pegar. Evite forrar as prateleiras com plásticos ou vidro e procure não abarrotá-las, deixando espaço entre os alimentos para facilitar a circulação do ar. E não guarde líquidos nem alimentos ainda quentes na geladeira, pois o motor vai ter de trabalhar mais para manter o frio, e isso vai provocar mais gasto de energia.

Aparelhos desligados de verdade
Um jeito fácil economizar energia é desligar “de verdade” os aparelhos eletrônicos que funcionam com controle remoto. Isto significa desligar apertando o botão on/off, não apenas desligar no controle remoto. Para que o controle remoto possa ligar um aparelho instantaneamente, como a TV ou o som, é preciso que fique ativado o “stand-by”. Mas, o “stand-by” é um devorador de energia elétrica, responsável por até 25% do consumo de energia dos equipamentos eletro-eletrônicos.

Mais luz com menor gasto
Outro jeito simples de economizar energia elétrica é trocar as lâmpadas da casa pelas mais econômicas, como as fluorescentes. Elas são mais caras, mas economizam até 80% de energia em relação à lâmpada comum e duram até 13 vezes mais. Com isso, o preço maior pago por elas é compensado, em 8 meses, pela economia de energia elétrica. Procure usar a luz natural sempre que for possível, deixando janelas e cortinas abertas. E apague as luzes sempre que sair de um ambiente.

Roupa lavada e passada sem desperdício
Na hora de usar a máquina de lavar roupa, economize água e energia lavando, de uma só vez, a quantidade máxima de roupa indicada pelo fabricante do equipamento. Se usar a secadora, utilize também a capacidade máxima, evitando o desperdício de energia elétrica. Ao passar a roupa, espere acumular uma quantidade razoável de peças e passe tudo de uma vez só, desta forma só esquentando o ferro uma única vez. Passe primeiro as roupas delicadas, que precisam de menos calor. No final, depois de desligar o ferro, aproveite ainda o seu calor para passar algumas roupas leves.

Se você quiser seguir o Akatu no Twitter, clique aqui.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: