Ecóleo e Sabesp querem expandir rede de coleta e reciclagem de óleo de cozinha

Em seminário realizado na capital paulista, parceria convocou a sociedade brasileira e fazer o descarte correto do resíduo

Um exemplo que deu certo: a coleta e reciclagem de óleo de cozinha no bairro de Cerqueira César, zona central da capital paulista, promovida pela Associação Brasileira para Sensibilização, Coleta e Reciclagem de Resíduos de Óleo Comestível (Ecóleo), reduziu em 26% o número de casos de entupimento na rede de esgoto da região entre 2008 e 2009. Segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), os chamados para desobstrução de dutos caíram de 727 para 539.

Além disso, o programa, que teve adesão de mais de 1.500 dos 1.600 prédios da região, economizou dinheiro público que seria gasto com operações de desobstruções dos dutos, além de evitar que milhares de litros de óleo usado poluíssem os rios lagos, represas, e maresda cidade.

Hoje, o litro, em São Paulo, é vendido a cerca de R$ 0,90 e gera trabalho e renda para mais de 1200 brasileiros, entre trabalhadores de empresas e associados de cooperativas que fazem a coleta e reciclagem do resíduo.

Esses números animadores levaram a Ecóleo, em parceria com a Sabesp, a organizar o 1º Seminário sobre Coleta e Reciclagem de Óleo Vegetal Usado, que teve lugar na última quarta-feira, dia 9 de junho, na sede da Sabesp. O evento apresentou o mapeamento feito pela associação e também outros casos de ONGs e empresas que possuem programas de reciclagem de óleo.

Participaram do evento jornalistas, organizações sociais e vários representantes de empresas e cooperativas que fazem a coleta e venda do óleo.

Célia Marcondes, presidente da Ecóleo, ressaltou a importância de mensurar as ações realizadas para que elas sejam replicadas. “É com esses que esperamos mobilizar mais brasileiros para esta ação. A parceria com a Sabesp permitiu que tivéssemos o real alcance das nossas ações. Agora, fica mais claro para todos que ninguém perde nada com a reciclagem do óleo, muito pelo contrário”.

Hoje, empresas e cooperativas ligadas à Ecóleo instalaram pontos de coleta nos condomínios residenciais e comerciais por quase todo o Brasil. Clique aqui para ver qual o ponto de coleta mais próximo da sua casa ou prédio comercial.

O volume de trabalho para coordenar o processo aumentou tanto que, juntas, essas entidades já recolhem só na região da Grande São Paulo, 1,7 milhão de litros de óleo usado, cerca de 5% do volume consumido na região. “Mas ainda é muito pouco, há muito óleo que está sendo descartado de forma incorreta”, alerta Marcondes. “Isso não é nada mais do que a lógica da logística reversa. Estamos devolvendo às indústrias o que compramos delas e garantimos a eliminação de resíduos sem danificar o meio ambiente”, explica Marcondes.

Gesner Oliveira, presidenteda Sabesp, comemorou os números apresentados pela Ecóleo e convocou a sociedade brasileira para o desafio de coletar e encaminhar o óleo de cozinha para reciclagem. “Programas como esse deveriam ter adesão mundial, mas por enquanto, estamos satisfeitos em saber que este projeto é um dos que tem maior adesão da população dentro da nossa empresa”, disse.

Desde 2007, a Sabesp desenvolve o Programa de reciclagem de Óleo de Cozinha (Prol) com objetivo de estimular o aproveitamento do resíduo. Hoje mais de 30 agências da empresa já recebem óleo usado em diversos municípios do Estado de São Paulo. Clique aqui para saber mais sobre o Prol.

O óleo de cozinha usado, quando reaproveitado, serve para fabricação de biosidel, sabão e detergente.

Se você quiser seguir o Akatu no twitter, clique aqui

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: