Dicas do Instituto Akatu para praticar o consumo consciente no Dia da Criança

Existe um belo alerta para os pais, cuja autoria é atribuída a Confúcio (filósofo chinês do século V a.C.), e pode ajudar como um princípio na educação que damos a nossas crianças: “Seu filho pode não ouvir nada do que você diz, mas vê tudo o que você faz

Dica geral:

No Dia das Crianças, pense no planeta que vai deixar para os filhos, mas, sobretudo, nos filhos que vai deixar para o planeta.

Mais dicas:

· É difícil dizer não para os filhos, ainda mais em datas especiais. Mas é uma ótima oportunidade de educá-los para boas práticas, fazê-los crescer em solidariedade e cidadania, portanto reflita com eles se o presente desejado é mesmo tão necessário;

· Use a imaginação e dê presentes alternativos, reciclados, produzidos artesanalmente, de pouco impacto ambiental e feitos para durar;

· Se possível, evite as embalagens para presente, que gastam toneladas de papel, plástico e fita adesiva. Se não for possível, pelo menos reduza a utilização de embalagens e prefira as que possam ser reutilizadas;

· Recuse sacolinhas plásticas. Saco é um saco: entope bueiros; provoca enchentes; gasta petróleo em sua fabricação, portanto aumenta o aquecimento global, e ainda leva 400 anos para se decompor na natureza. Os netos de seus tataranetos estarão comemorando o Dia das Crianças, e a sua sacolinha ainda estará presente em algum lugar do planeta;

· Compare preços sempre;

· Se for comprar um brinquedo, só compre produtos certificados com selo do Inmetro;

· Se for dar roupas, priorize produtos nacionais. Você estará gerando empregos no Brasil e reduzindo emissões de gás carbônico, já que os produtos não precisaram viajar grandes distâncias;

· Prefira produtos e tecidos de origem orgânica. O algodão sem agrotóxico, por exemplo, agride muitíssimo menos a natureza;

· Não compre produtos pirateados ou contrabandeados, é nos pequenos gestos que construímos uma sociedade mais justa e ética;

· Observe não só o que está comprando, mas de quem você está comprando. Prestigie e valorize lojas e fabricantes de comprovada responsabilidade socioambiental – que pagam corretamente os impostos; que emitem nota fiscal; que respeitam os direitos trabalhistas de seus funcionários; que não praticam trabalho infantil ou escravo e nem compram de quem pratica; que não invadem espaços públicos, como ruas e praças; que investem em processos e instalações que economizam água, energia e recursos naturais; que não poluem;

· Pense sempre na cadeia produtiva do produto. Lembre-se de que ele não surgiu na prateleira e que carrega uma pegada de carbono, emitido desde a extração, o cultivo ou a criação da matéria prima, passando pela industrialização e o transporte do produto final até a loja. Pense na quantidade de água, energia e recursos naturais exigidos em todo o processo. E pense no fim da vida útil, como ele será descartado? Onde será? Pode ser reciclado?;

·  Planeje os gastos, estipule um limite de despesas e não saia dele. Se comprar a crédito, preste atenção nos juros. Muitas vezes, o preço final, somadas as prestações, dá para comprar uns três presentes;

· Negocie descontos para pagamentos à vista, não tenha vergonha de pechinchar. Mas, se decidir comprar a prazo, avalie se as prestações cabem no orçamento;

· Aproveite seu tempo, planeje as compras antes de sair para não gastar muitas horas no trânsito e nas lojas;

· Se possível, escolha presentes interativos e que possam ser manejados por adultos também. Isso vai possibilitar uma convivência maior entre você e seus filhos;

· Se der presentes que usam pilhas ou baterias, prefira as recarregáveis. São mais caras, mas serão usadas muitas vezes. No longo prazo, o preço compensa em relação à pilha descartável. Além disso, você vai produzir menos lixo tóxico. Sabia que, só no Brasil, jogamos fora 1 bilhão de pilhas todos os anos? Em ferro, isso equivale ao peso de 5.000 carros populares;

· Evite pilhas e baterias contrabandeadas ou de procedência asiática duvidosa. Todas as pilhas contêm metais tóxicos em sua composição. As fabricadas legalmente no Brasil são inspecionadas e têm uma boa blindagem; as pilhas piratas, não, por isso vazam mais facilmente. Podem até ser mais baratas, mas compensa pôr a saúde dos filhos em risco?

· Além do presente, procure marcar o dia com atividades simbólicas: leia para ele um texto escrito por você ou do qual você goste; escute junto com seu filho uma canção que marcou sua vida; visite lugares que você gosta na cidade;

· Recicle e dê cara nova a tudo o que for possível;

· Evite o desperdício e a acumulação desnecessária, combine com seu filho de ele doar uma peça que não usa mais – roupa, calçado, brinquedo, jogo… – a cada nova que ganhar.

Se você quiser seguir o Akatu no Twitter, clique aqui

 

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: