Desperdício de alimentos custa milhões para as cidades

Combater o desperdício de alimentos ajudará a alimentar 9,5 bilhões de pessoas e a diminuir o impacto ambiental

Foto: Creative Commons/MOs810

 

Seria necessário um terreno na área do México para produzir a quantidade de alimentos que as pessoas produzem, mas não comem, a cada ano. Mais comida é desperdiçada na fase de consumo – nas residências, restaurantes e cafeterias – do que em outros estágios da cadeia.

Quase todas as áreas urbanas têm níveis altos de desperdício de alimentos  – comida que poderia ser consumida quando chega às pessoas, mas é descartada antes ou depois de estragar. O desperdício de alimentos apresenta desafios significativos, mas também dá oportunidade para que as cidades reduzam as emissões de carbono e o desmatamento, além de mitigar o gasto de água com a agricultura.

Os custos ambientais da produção de alimentos

De acordo com as projeções, o mundo vai precisar aumentar a produção de alimentos em 70% até 2050. Isso causará uma estafa significativa no planeta. A produção de alimentos tem altos níveis de emissões porque converte floresta e savanas, que armazenam carbono, em pastos ou terras de cultivo. Por exemplo, na Indonésia, florestas tropicais estão sendo derrubadas para dar lugar ao cultivo de palma para produção de óleo, o fez do país o maior emissor de carbono por unidade de PIB. Além disso, 13% das emissões de carbono em 2010 foram de atividades agrícolas como criação de gado, uso de tratores e produção e uso de fertilizantes nitrogenados. A agricultura contribui com 24% das emissões de gases de efeito estufa, considerando a conversão de terras, explora 27% das terras do planeta e consome 70% da água doce no mundo.

Considerando o efeito em escala da produção de alimentos no meio ambiente, reduzir o desperdício e a necessidade de produção crescente pode nos impulsionar para um mundo mais sustentável.

A urbanização intensifica o desperdício de comida

De acordo com a Royal Society, consumidores de países com economia em desenvolvimento desperdiçam mais alimentos por causa do relativo baixo custo da comida, por causa dos padrões altos de aparência dos alimentos e falta de conhecimento sobre a realidade da produção de alimentos.

A urbanização traz esses três fatores no comportamento do consumidor porque quem mora na cidade ganha mais dinheiro que os trabalhadores rurais, tem altos padrões de aparência dos alimentos e compra alimentos nos supermercados.

Para deixar o desafio do desperdício de alimentos mais difícil, a ONU estima que até 2050, mais 2,5 bilhões de pessoas passará a viver em áreas urbanas. A população urbana corresponderá a dois terços da população mundial.  Como resultado, o desperdício de alimentos deverá crescer significativamente até 2050 na maioria das cidades.

O desperdício de alimentos já está crescendo mundialmente. Por exemplo, em várias cidades chinesas, como Pequim e Xangai, alimentos já correspondem de 50% a 70% dos resíduos municipais. Vale considerar que há consumidores de países em desenvolvimento que não tem condições de refrigerar a comida em casa para preservá-la.

Nas cidades surgem soluções inovadoras

Felizmente, alguns governos, organizações não governamentais e empresas privadas  já estão explorando métodos inovadores para reduzir o desperdício de comida.

Por exemplo, algumas instituições estão redistribuindo alimentos para as pessoas que precisam. A FoodBank South Africa recolhe mais de 4 toneladas de comida anualmente e distribui mais de 14 milhões de refeições com a ajuda de organizações sem fins lucrativos da Cidade do Cabo, Joanesburgo e Durban. Seul, na Coreia do Sul, está implementando uma política de cobrar a população, organizações e restaurantes que desperdiçam comida. Isso irá estimular os restaurantes a reduzir o tamanho das porções e encorajar as pessoas a não comprar comida que eles não vão consumir.

Em fevereiro de 2014, Hong Kong definiu uma meta de redução de desperdício de comida em 40% até 2022, considerando os parâmetros de 2011. O relatório foca no aumento de consciência do desperdício de alimentos e a reciclagem de restos de alimentos em compostagem ou queima para produção de energia. Por exemplo, 75% dos detentos do Instituto Lo Wu se voluntariaram a receber porções menores de comida, o que traz uma economia de 500 tigelas de arroz por dia.

As cidades devem enfrentar, com urgência, o crescente desperdício de alimentos no mundo. O Programa Waste Resources and Action (WRAP) calculou que o custo dos alimentos que não são consumidos chega a 400 bilhões de dólares anualmente, o que significa um forte motivo financeiro para agir. O Instituto World Resources está liderando o desenvolvimento do Food Loss and Waste Protocol, que permitirá às cidades e entidades relatar o desperdício de alimentos de forma prática, com credibilidade e de forma consistente, internacionalmente. E, finalmente, o rascunho atual das metas de desenvolvimento sustentável da ONU (Sustainable Development Goals – SDGs) têm como meta “reduzir pela metade o desperdício de alimentos per capita globalmente, a nível de varejo e consumidor” até 2030.

As cidades têm um papel indispensável no combate ao desperdício de alimentos, o que pode ajudar a alimentar 9,5 bilhões de pessoas com menos emissões de carbono e menor impacto sobre os recursos naturais.


Artigo publicado originalmente no blog The City Fix, da World Resources Institute

Leia mais:

Desperdício Gourmet: nova campanha da ONG Banco de Alimentos tem adesão de chefs

 

[VOCÊ É UM CONSUMIDOR CONSCIENTE? FAÇA O TESTE AQUI E DESCUBRA!]

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: