Concessionária paulista vai plantar árvores para compensar carbono emitido por carros

Expectativa é de plantar 28.800 mudas por ano. O projeto é desenvolvido junto com a Fundação SOS Mata Atlântica

A concessionária Volkswagen Primo Rossi, de São Paulo, iniciou um programa, em parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica, para neutralizar as emissões de carbono dos carros vendidos pela concessionária. Os veículos liberam gás carbônico para a atmosfera durante o processo de queima do combustível. Por meio do programa, denominado Carro Limpo Primo Rossi, a empresa se compromete a pagar metade do investimento de R$ 60 ao ano para a aquisição, plantio e manutenção de seis mudas de árvores nativas da Mata Atlântica, a cada veículo vendido. A outra parte do investimento será complementada pelo consumidor, se ele quiser participar do programa. De acordo com a concessionária, a idéia é envolver os consumidores em um programa permanente de conscientização ambiental.

Vale lembrar que cada vez que o consumidor escolhe comprar produtos ou serviços de uma empresa que desenvolva programas como o do Primo Rossi, está induzindo outras empresas a adotar ações responsáveis. O aumento da responsabilidade social e ambiental das empresas é uma conquista do consumidor consciente, que desta forma, escolhe o mundo em que quer viver.

Os impactos benéficos da idéia do programa estão relacionados ao problema do aquecimento global. Esse fenômeno provoca o aumento da temperatura da Terra e, conseqüentemente, o desequilíbrio do regime de chuvas em todo o planeta, derretimento das calotas polares e alteração na quantidade e intensidade de fenômenos naturais, como furacões. O consumidor consciente pode contribuir para reverter esse processo, uma vez que a mudança climática e suas conseqüências negativas são deflagradas pela emissão de gás carbônico em atividades humanas – entre elas, a queima de combustível para fazer funcionar os automóveis. Aderir a programas desse tipo é um instrumento importante para o consumidor ajudar a compensar as emissões de gás carbônico, e induz esse tipo de ação em outras concessionárias.

Um automóvel que roda em média 12 mil quilômetros por ano emite uma quantidade de carbono equivalente à absorvida pelo processo de fotossíntese por seis árvores de grande porte (quando atingem a fase adulta). Esse foi o cálculo da Fundação SOS Mata Atlântica para chegar ao valor de R$ 60 do programa Carro Limpo Primo Rossi. Este valor inclui acompanhamento dos técnicos do programa Florestas do Futuro, da Fundação, por um período de cinco anos, a partir do plantio.

A expectativa da empresa, que comercializa 4.800 automóveis ao ano, é de que a parceria com os clientes será responsável pelo plantio de 28.800 mudas de árvores nativas por ano. O participante da campanha recebe um certificado de adesão ao programa, um selo de adesão na carroceria do carro, um kit de brindes, descontos em produtos e serviços e ingressos a shows que têm parceria com a Primo Rossi. Além disso, o comprador da muda poderá acompanhar o desenvolvimento da planta pelo site do projeto da SOS Mata Atlântica de recuperação da Mata Atlântica (www.florestasdofuturo.org.br) e pelo site da concessionária (www.primorossi.com.br). O programa Carro Limpo Primo Rossi será auditado pela PricewaterhouseCoopers.

A neutralização das emissões de carbono tem sido um interesse crescente das empresas, por conta das preocupações com os efeitos negativos que o aquecimento global traz ao equilíbrio climático do planeta. O ABN Amro – Aymoré Financiamentos, braço financeiro do Banco Real, parceiro pioneiro do Instituto Akatu, se comprometeu recentemente a plantar 5 mil árvores, em projeto conjunto com a Fundação SOS Mata Atlântica. A ação visa amenizar os efeitos do gás carbônico que os carros vendidos num feirão organizado pela empresa vão emitir nos primeiros mil quilômetros rodados.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Se você quiser seguir o Akatu no Twitter, clique aqui.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: