Combate ao desperdício de alimentos é aprovado na Comissão de Agricultura do Senado

O texto determina que estabelecimentos como restaurantes firmarão contratos de doação a organizações de natureza social dedicadas à coleta e distribuição de alimentos e refeições

Safra de goiaba do Núcleo Rural Alexandre Gusmão, em Brazlândia, Brasília. Crédito: Creative commons/Agência Brasília

 

No Brasil, a cada ano, 26,3 milhões de toneladas de alimentos vão para o lixo, segundo dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Para enfrentar esse problema, a Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) do Senado aprovou, no dia 30 de novembro,  um substitutivo ao projeto que combate o desperdício de alimentos (PLS 672/2015), divulgado pela Agência Senado. A matéria será submetida a turno suplementar na própria CRA e, confirmada a aprovação, seguirá para exame do Plenário.

O texto determina que estabelecimentos como restaurantes firmarão contratos de doação a organizações de natureza social dedicadas à coleta e distribuição de alimentos e refeições. Também prevê a doação ou venda a empresas dedicadas à produção de ração animal e à compostagem. O projeto isenta ainda o doador de responsabilidade por dano ocasionado pelo consumo do alimento, desde que não caracterize dolo e negligência.

De acordo com o texto, é considerado desperdício de alimentos o descarte voluntário decorrente de vencimento do prazo de validade para venda; dos danos à embalagem; e de produtos in natura com aspecto comercialmente indesejável ou parcialmente danificado, mas que mantenham suas propriedades nutricionais e sua segurança sanitária.

Consumidor consciente não desperdiça comida
O problema do desperdício começa ainda no campo. De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), 10% das perdas acontecem na agricultura, 50% no manuseio e transporte, 30% em centrais de abastecimento e 10% nos supermercados e com os consumidores. Cada um de nós pode contribuir no combate a esse problema, com pequenas mudanças em suas práticas cotidianas. Adotar como critérios para a compra não só o preço, mas também a qualidade, a origem, as informações sobre os impactos sociais e ambientais causados pela empresa fabricante, pode trazer grandes benefícios para sua saúde, para a sociedade e para o meio ambiente. E nunca jogar comida no lixo, mas procurar reaproveitar as sobras em outras receitas saudáveis. Ou ainda doá-las para quem precisa, contribuindo também no combate à fome e à insegurança alimentar.

 

Leia mais:

Brasil joga fora mais do que o necessário para combater a insegurança alimentar

Embrapa lança página temática sobre perdas e desperdício de alimentos

Evite o desperdício de alimentos e ajude a desacelerar as Mudanças Climáticas

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: