CEBDS lança estudo sobre adaptação às mudanças climáticas

Levantamento aponta impactos das mudanças climáticas na matriz energética brasileira e destaca a importância da diversificação das fontes de energia

Comentário Akatu: O estudo lançado pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) mostra os impactos das mudanças climáticas na matriz energética brasileira. Cria-se uma vulnerabilidade no fornecimento de energia pelas hidroelétricas, que são a principal fonte renovável de energia elétrica. Isto leva a prejudicar gravemente o processo de substituição de energias não renováveis por renováveis, dado que as secas e o avanço da desertificação, por exemplo, levam a um ciclo contínuo de agravamento da disponibilidade de água nas hidroelétricas. Com isso, há necessidade de acionamento de termoelétricas, com consequente aumento das emissões de gases de efeito estufa e do aquecimento global. Assim, torna-se ainda mais importante a consciência do consumidor no sentido de buscar reduzir o seu uso de energia elétrica. Quanto menos energia for demandada, menor será o impacto do uso de energias derivadas de combustíveis fósseis. E, além de contribuir para um menor consumo de energia de forma consciente, é também papel dos consumidores demandar do poder público o apoio ao desenvolvimento de outras fontes renováveis e a promoção da educação para o consumo consciente.

O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) divulga o “Estudo Sobre Adaptação e Vulnerabilidade à Mudança Climática: o caso do setor elétrico brasileiro”. Desenvolvido pela entidade de maio de 2011 a abril de 2013, com o apoio da Way Carbon, a publicação representa um esforço do setor empresarial para aprofundar a compreensão do tema, dada a sensibilidade da energia hidroelétrica à variação climática e a sua elevada participação na matriz elétrica nacional.

“Os resultados do estudo mostram o impacto das mudanças climáticas no médio prazo no cenário energético nacional. A atual estratégia de geração elétrica brasileira dissociada de uma percepção mais precisa das mudanças climáticas levará a um ambiente de ainda mais insegurança – energética, econômica e física”, explica a presidente do Conselho, Marina Grossi.

Caso o país continue com a estratégia de priorização de usinas a fio d’água – que causam menos impacto ambiental – em longo prazo, o resultado poderá ser prejudicial, aponta a publicação. Como os eventos climáticos tendem a aumentar, a segurança energética dessas usinas irá diminuir, e teremos que recorrer cada vez mais a outras fontes como as térmicas, mais caras e poluidoras.

O estudo foi elaborado a partir da análise de três usinas, com as seguintes características: geração de energia em uma usina de até 30 MW de potência instalada a fio d’água; uma usina de potência instalada de até 100 MW; e uma usina de potência instalada de mais de 1.000 MW, sendo essas duas últimas com reservatório. Foram utilizados dados dos últimos 80 anos de vazão dos rios onde essas usinas estão implantadas, sendo que as mesmas estão na bacia do Paraná e na bacia Atlântico Leste/Sudeste, na região de maior concentração de consumo elétrico nacional. Na primeira usina, o estudo prevê um déficit de abril a novembro em 2050.

Geralmente, estudos que tratam com mudanças climáticas tem uma previsão de longo prazo. Para permitir que o estudo seja aplicado às necessidades do planejamento corporativo, foram estudados cenários de médio prazo, em 2020 e 2050.

Para 2020, foi analisado o impacto e a exposição de cada usina, bem como suas sensibilidades e as variações de produção. Para 2050, a análise dessas variações de produção foi feita por meio de três cenários: cenário de mudança zero, que utilizou a condição de média histórica; cenário de mudança moderada e cenário de mudança extrema. Ficou clara a importância da diversificação das fontes de energia para garantir a complementariedade da geração de energia hídrica.

“A inclusão da preocupação climática na agenda de planejamento e definição estratégica de expansão do setor de energia brasileiro se mostrou indispensável”, afirma Marina Grossi.

Clique aqui para fazer conhecer o estudo.

 

Leia aqui a notícia original, publicada pelo CEBDS.

 

Siga no Twitter.
Curta no Facebook

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: