Carros flexíveis ganham a preferência dos consumidores

Carros que rodam tanto com gasolina como com álcool (e, em alguns casos, até gás natural) já respondem por 30% das vendas no Brasil

Comentário Akatu: Veículos menos dependentes do petróleo, produto cujo preço deve aumentar bastante no futuro, são interessantes para o Brasil, por serem menos poluentes e mais econômicos. Veículos destinados ao transporte público devem seguir esta tendência. Mas o consumidor consciente deve ter em mente que o uso do transporte não-motorizado é a melhor forma de transporte sustentável.

Os carros bicombustíveis vieram para ficar. A liberdade de escolha proporcionada pelo motor flex é tão vantajosa que a indústra automobilística deve adotá-lo em todos os veículos. A Volkswagen estima que, no máximo em dois anos, todos os seus carros sairão de fábrica rodando com bicombustível.

Os números comprovam o sucesso da tecnologia. Segundo a Anfavea, associação que reúne as montadoras, em 2003, ano de lançamento dos modelos flex, foram vendidos 48.100 veículos, o que correspondia na época a 3,5% do mercado. No ano passado, o número saltou para 328.100, ou 22%. Só no primeiro trimestre de 2005, esse porcentual cresceu para 30% (108.500). A porcentagem só não é maior porque alguns automóveis ainda não foram dotados da tecnologia que, diga-se, foi desenvolvida no Brasil.

A psicóloga Vanessa Gianesini não hesitou em gastar “um pouco mais” para comprar um flex no ano passado: “Se antes gastava R$ 90 para encher o tanque, hoje gasto R$ 50.” Os carros bicombustíveis agradaram tanto que o “pouco a mais” pago por Vanessa deixou de existir.

E não pagar mais por uma tecnologia nova pode oferecer uma grata surpresa aos consumidores. Alexandra Alvarez, gerente de faturamento do Hospital Paulistano, comprou um Meriva em 2003. “Comprei porque achei bonitinho, nem pensei no fato de ser bicombustível. Quando o litro da gasolina passou para mais de R$ 2, resolvi rodar com álcool. Dá uma economia absurda”, afirma.

Em agosto do ano passado, a GM lançou o Astra multipower, que roda com gasolina, álcool e gás (GNV). É o único carro tricombustível produzido em série no mundo, para coroar um mercado, agora, multicombustível.

Se você quiser seguir o Akatu no twitter, clique aqui.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: