Brasil supera meta e evita uso de 5 bilhões de sacolas plásticas em 2010

Resíduo usa petróleo em sua cadeia de produção, leva muito tempo para se decompor e, descartado incorretamente, provoca enchentes

Desde junho de 2009, quando o Ministério do Meio Ambiente (MMA) lançou a campanha Saco é um Saco, os consumidores brasileiros deixaram de usar 5 bilhões de sacolas plásticas descartáveis, segundo dados do MMA divulgados no dia 5 de janeiro. A ação pretendia reduzir em 10% o consumo do material até o final de 2010, tendo como base o ano de 2009, quando foram produzidas 15 bilhões de sacolas no Brasil. A meta foi ultrapassada, chegando a 33% de redução.

Ao desestimular o consumo das sacolas plásticas, o governo brasileiro e seus parceiros promovem a diminuição do uso do petróleo, do qual é feito o plástico, e a consequente redução da emissão de gases de efeito estufa, que causam o aquecimento global. Além disso, reduzem o volume de lixo nos aterros – já que o plástico leva estimados 400 anos para se decompor – e ainda protegem a biodiversidade de rios, lagos e mares e o meio ambiente urbano, reduzindo as causas de enchentes. Porque, quando largado em terrenos, quintais ou via públicas, o plástico acaba poluindo as fontes de água ou entupindo bueiros e galerias pluviais, agravando esse transtorno das inundações que vemos nesta época do ano.

“Trata-se de um resultado coletivo motivado pelo debate nacional sobre o consumo de sacolas plásticas, além da movimentação do setor produtivo para reduzir sua própria participação no problema”, afirma Fernanda Daltro, coordenadora técnica da campanha.

Segundo o comunicado do MMA, este número agrega dados de redução do consumo apresentados pelas três maiores redes de supermercado no país,  Carrefour, Walmart (apoiadores estratégicos do Akatu) e Pão de Açúcar (apoiador ouro), dados do Programa de Qualidade e Consumo Responsável de Sacolas Plásticas – mantido por diversos setores da indústria do plástico – e os números de sacolas plásticas que deixaram de ser consumidas em cidades que aprovaram leis municipais banindo as sacolinhas, como Xanxerê (SC) e Jundiaí (SP).

A nova meta agora é reduzir o consumo de sacolas plásticas em 40% até 2014 em todas as lojas do país. O número foi acertado em um acordo setorial assinado entre o governo e a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). No entanto, algumas redes de supermercados apresentaram metas próprias: o Walmart, que atualmente oferece descontos ao cliente que usa embalagens retornáveis, pretende reduzir a utilização de sacolinhas em 50% até 2013. Já o grupo Carrefour espera chegar em 2014 com “sacolinha zero”, não oferecer mais sacolas plásticas.

Alternativas
Em outubro de 2010, o Akatu, parceiro institucional do projeto, organizou o Concurso Cultural Saco de Ideias que ajudou a divulgar e compartilhar boas ideias visando à diminuição do consumo do produto. Os participantes foram desafiados a criar um vídeo de até 1 minuto respondendo à questão: “O que fazer para recusar, reduzir, reutilizar e reciclar o uso de sacolas plásticas?”

Após dois meses de votação aberta ao público, os 10 vídeos mais votados foram avaliados por uma Comissão Julgadora, que escolheu os três primeiros classificados, levando em conta a originalidade, correção na interpretação do tema do concurso, criatividade, pertinência e capacidade de mobilização.

Leia também:
Maioria da população urbana apoia o fim das sacolas plásticas no Brasil
Rio de Janeiro aprova lei que põe fim às sacolas plásticas no comércio
Jundiaí tira de circulação 22 milhões de sacolinhas plásticas por mês

Se você quiser seguir o Akatu no twitter, clique aqui.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: