55% dos municípios brasileiros correm risco de ficar sem água

Para evitar escassez do recurso, país precisa investir R$ 22 bilhões até 2015; valor será aplicado em obras nos mananciais e nos sistemas de produção

 

Dos 5.565 municípios brasileiros, 55% poderão ter déficit no abastecimento de água nos próximos anos. Para evitar o problema, o país precisa investir R$ 22 bilhões até 2015 e um total de R$ 70 bilhões até 2025, com prioridade para obras nos mananciais e na coleta e tratamento de esgotos, visando proteger as fontes de abastecimento (rios e lagos). Somadas, estas localidades vão concentrar 139 milhões de habitantes, ou seja, 72% da população em 2025.

Os dados são do Atlas Brasil – Abastecimento Urbano de Água, levantamento coordenado pela Agência Nacional de Águas (ANA) e divulgado nesta terça-feira, 22 de março, dia em que se celebra o Dia Mundial da Água.

O estudo reúne informações detalhadas sobre a situação de todos os municípios brasileiros com relação às demandas urbanas, à disponibilidade hídrica dos mananciais, à capacidade dos sistemas de produção de água e dos serviços de coleta e tratamento de esgotos.

Dos municípios que correm riscos de ter falta de água, 84% necessitam de investimentos para adequação de seus sistemas produtores e 16% precisam de novos mananciais. Concluídas até 2015, as obras podem garantir o abastecimento até 2025.

“O intenso trabalho que resultou no Atlas Brasil ajuda o país a identificar os gargalos e carências de várias regiões, os conflitos vivenciados nos grandes centros urbanos pelas mesmas fontes mananciais e a avaliar suas infraestruturas para atender adequadamente ao abastecimento público. Cada um dos 5.565 municípios brasileiros, um a um, foi avaliado. Dessa forma, é uma ferramenta indispensável para a tomada de decisões e para a racionalização de investimentos em todo o País.”, declarou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.

O Norte e o Nordeste possuem, relativamente, as maiores necessidades de investimentos em sistemas produtores de água (mais de 59% das sedes urbanas). Na região, chama a atenção a precariedade dos pequenos sistemas de abastecimento de água do Norte, a escassez hídrica no Semiárido e a baixa disponibilidade de água das bacias hidrográficas litorâneas do Nordeste.

No Sudeste, os principais problemas decorrem da elevada concentração urbana e da complexidade dos sistemas produtores de abastecimento, que motivam, muitas vezes, disputas pelas mesmas fontes hídricas.

Investimentos
Juntos, Nordeste e Sudeste demandam 74% do total dos investimentos necessários, que equivalem a R$ 16,5 bilhões que seriam destinados a 2.076 municípios. Essas duas regiões requerem grande volume de investimentos devido ao maior número de aglomerados urbanos e por causa do Semiárido, que demanda grandes esforços para a garantia hídrica do abastecimento de água.

Do total dos recursos, 51% correspondem à adoção de novos mananciais (R$ 11,3 bilhões para 703 municípios), incluindo a conexão de atuais sistemas isolados a sistemas integrados, enquanto 49% restantes (R$ 10,9 bilhões) destinam-se à ampliação de sistemas de produção de água existentes (isolados ou integrados) para 2.356 sedes urbanas.

“O Atlas Brasil é estudo alicerçado na garantia de que as informações e propostas apresentadas são fruto de amplo consenso, alinhado entre representantes dos prestadores de serviços de abastecimento de água, órgãos de gestão dos recursos hídricos, Comitês e Agências de Bacias Hidrográficas, entre outras entidades municipais, estaduais e federais vinculadas aos setores de recursos hídricos e saneamento, que traz não apenas as soluções, mas formas de financiamento das obras propostas”, disse o diretor-presidente da ANA, Vicente Andreu.

O Atlas Brasil consolida o planejamento da oferta de água em todo o País a partir do diagnóstico dos mananciais e da infraestrutura hídrica existente (sistemas de captação de água e estações de tratamento) e da identificação das melhores alternativas técnicas. É o resultado do trabalho feito em articulação com órgãos do governo federal, estaduais e municipais.

Leia também:

– A questão da água nas cidades. Alguns fatos importantes

– Leia a Declaração Universal dos Direitos da Água”

– “Água e urbanização” é o tema do Dia Mundial da Água

– Paulistano se preocupa, mas faz pouco para economizar água

Se você quiser seguir o Akatu no Twitter, clique aqui.

 

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: