Brasil atinge novo recorde em reciclagem de latas de alumínio

A participação das cooperativas na base da coleta é um dos fatores responsáveis pelo novo patamar

O Brasil reciclou 89% de todas as latas de alumínio vendidas em 2003. Com esse índice, o país destaca-se como líder mundial em reciclagem de latas de alumínio, pelo terceiro ano consecutivo, considerando as nações onde esta atividade não é obrigatória por lei. A apuração dos dados foi realizada pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), em conjunto com a Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade (ABRALATAS).

O índice de 89% corresponde a um volume de 112 mil toneladas de latas de alumínio ou 8,2 bilhões de unidades, aproximadamente. Em 2002, o índice foi de 87%, o equivalente a 121,1 mil toneladas ou 9 bilhões de unidades. E, em 2001, quando superou o Japão, líder do ranking até então, o Brasil alcançou um índice de 85%. Os números do Japão relativos a 2003 serão divulgados em julho e deverão confirmar a liderança brasileira. No Brasil, o indice é calculado desde l990, ano em que as latas de alumínio começaram a ser fabricadas no país.

Entre os fatores que contribuíram para o crescimento da reciclagem de latas de alumínio no Brasil, em 2003, estão o aumento da participação das cooperativas e da base de coleta (há mais pessoas dedicando-se a essa tarefa e cidades com esquemas organizados, por exemplo). De acordo com estimativas da ABAL, a atividade gera emprego e renda para mais de 160 mil pessoas, desde a coleta até a transformação final da sucata em novos produtos. Há mais de 6.000 pontos de compra de sucata de latas espalhados por todo o Brasil, entre ferros-velhos, depósitos de pequenas e grandes empresas, centros de coleta com equipamentos de alta tecnologia e atacadistas que trabalham com diversos tipos de sucatas.

Banco de energia e consciência ecológica

A reciclagem de latas de alumínio proporcionou, em 2003, uma economia de energia de cerca de 1.576 GWh/ano, o que equivale a 0,5% de toda a energia gerada no país e o suficiente para abastecer uma cidade como Campinas, de 1 milhão de habitantes. Para produzir alumínio a partir do metal reciclado, utiliza-se apenas 5% da energia que seria necessária para a produção a partir do minério, a bauxita.

A atividade também tem colaborado para o crescimento da consciência ecológica. Os programas de educação ambiental, desenvolvidos por empresas do setor, em parceria com escolas municipais, estaduais e particulares, atingem mais de 400 mil crianças do ensino fundamental em todo o país.

Além disso, mais de 16 mil escolas e instituições estão cadastradas em programas permanentes de reciclagem de alumínio, que promovem a troca das latas coletadas por cadernos, kits escolares, cestas básicas e equipamentos, que vão de microcomputadores a televisores e máquinas copiadoras. Somente em 2003, foram trocados mais de 11 mil itens. Em 11 anos, foram mais de 84 mil itens, em 20 estados brasileiros.

Se você quiser seguir o Akatu no twitter, clique aqui.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: