Baterias de carros devem ser entregues em postos de coleta

Quando descartadas de maneira irregular, produto que compõe a bateria pode ser extraído e usado para refinar cocaína

Entre as baterias de uso doméstico, as mais tóxicas são as de carros. Em sua composição é utilizado o chumbo ácido, que, além de ser uma substância extremamente tóxica, é corrosiva. Seu manuseio exige muito cuidado e seu descarte, mais ainda. Tanto que a recomendação mais importante, segundo Jorge Tenório, professor titular da Escola Politécnica da USP, é que, ao adquirir uma bateria nova, o proprietário deixe a velha no ponto de revenda. “30% das pessoas guardam a bateria em casa sem necessidade”, estima ele.

De acordo com André Saraiva, vice-diretor de Meio Ambiente da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), a cadeia das baterias automotivas também é muito difícil de se controlar, por causa da pulverização dos pontos de venda – cerca de 1.500 espalhados pelo Brasil. Ele diz que hoje a tecnologia permite que cerca de 95% dos componentes da bateria sejam reciclados. O restante é descartado de maneira correta, minimizando os impactos ambientais.

Acontece que, algumas vezes, isso foge ao controle. Segundo ele, são sete recicladoras oficias operando no país e, por outro lado, 42 clandestinas, que não se pode dizer que operem de maneira correta. “As baterias automotivas têm uso crescente no tráfico de drogas. O eletrólito contido na bateria é usado para o refino da cocaína, o chumbo é utilizado para fabricar munição e o plástico é reciclado e utilizado em algumas partes da arma”, afirma Saraiva. Daí a importância de se entregar as baterias em pontos de revenda confiáveis.

Uso prolongado

Para utilizar a bateria de forma correta, é necessário que o proprietário atente para alguns cuidados na manutenção do carro. Até mesmo pneus mal conservados podem gerar aumento do consumo da bateria.

Um bom mecânico pode dar algumas orientações de como evitar o consumo excessivo da bateria. Uma dica é evitar dar partidas muito longas, principalmente no frio. Com a baixa temperatura, a bateria perde a potência e uma partida muito prolongada pode fazê-la queimar, além de danificar o motor de arranque. Após algumas tentativas, se o carro não pegar, chame o mecânico.

A verificação de rotina é muito importante. Deve-se verificar o nível de água da bateria (para os modelos que exigem água), que só deve ser completado com água destilada.

Outra recomendação é que se evite deixar luzes e faróis acesos, rádio funcionando ou ar-condicionado com o motor desligado, o que leva a bateria a se descarregar rapidamente, em questão de horas. Instalar um sistema de som muito potente também exige uma alteração no sistema elétrico do carro, com bateria e alternadores mais eficientes.

Se você quiser seguir o Akatu no twitter, clique aqui.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: