Banho de Floresta: entenda o que é e quais os seus benefícios

Muita gente acha; os japoneses confirmam: o contato frequente com a natureza fez bem à nossa saúde.

Maior oferta de trabalho, mais opções culturais e enorme diversidade social. Não por acaso, 84,72% dos brasileiros vivem hoje em áreas urbanas, segundo o PNAD (2015). Mas, ao mesmo tempo que esta grande parcela da população é atraída pela possibilidade de usufruir desses benefícios, ela acaba sofrendo outros: os efeitos prejudiciais de estar longe da natureza.

Não se trata de papo de natureba nem da turma que “abraça árvores”. Pesquisadores do Japão já publicaram vários estudos comprovando que o “banho de floresta” (shinrin-yoku, em japonês), ou o contato frequente com áreas verdes, traz benefícios à nossa saúde – tanto psicológicos quanto físicos. Ou seja, você que busca um estilo de vida mais saudável e sustentável, precisa reavaliar o quanto do seu tempo tem dedicado a passeios em meio à natureza.

Soa simples, e é. Segundo o médico japonês Qing-Li, autor dos livros “Shinrin-yoku: A arte japonesa da terapia da floresta” e “Forest Bathing: How trees can help you find health and happiness”, entre outros, o simples ato de adotar como hábito a visita a parques ou caminhadas regulares em áreas verdes é suficiente para você sentir os benefícios no corpo e na mente.

Em seus estudos, Qing-Li lista que o banho de floresta reduz a produção de cortisol, principal hormônio causador do estresse, diminui a pressão arterial, além dos sintomas de ansiedade, fadiga e irritação. A prática ainda aumenta o sistema imunológico e melhora o sono – em cerca de 15% após uma caminhada de duas horas na floresta.

Aqui no Brasil, o psiquiatra e homeopata Eduardo Brasolin Neto concorda com os dados acima e diz já ter notado melhoras significativas no quadro clínico de pacientes que aumentaram o contato com a natureza. “O benefício é imediato. Nós temos um microuniverso dentro de nós, nossa natureza interior, e a correspondência dela com a natureza externa nos torna pessoas mais sadias”, afirma.

Para os que vivem longe de áreas verdes, vale anotar: além de passeios do parque, cuidar de plantas e praticar aromaterapia (uso terapêutico de óleos essenciais) em casa também são alternativas para sentir os benefícios do contato com a natureza.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: