As 10 cidades brasileiras que mais desperdiçam água

Ligações clandestinas, infraestrutura desgastada, vazamentos, obras mal executadas ou medições incorretas no consumo de água são as principais causas da perda

Foto: Trapiche na cidade de Macapá, que está em primeira posição na lista/ Crédito: Alexandre Costa

 

De cada 100 litros de água coletada e tratada, em média, apenas 67 litros chegam as torneiras de todo o Brasil. Os outros 37% são desperdiçados, junto com o dinheiro investido no saneamento básico. O prejuízo financeiro com as perdas de água no País chega a R$ 8 bilhões ao ano, segundo estudo do Instituto Trata Brasil, feito com base nos dados mais recentes (2013) do Ministério das Cidades.

Tamanho desperdício também contribui para a situação de colapso hídrico que o país vive atualmente. Ligações clandestinas, infraestrutura desgastada, vazamentos, obras mal executadas ou medições incorretas no consumo de água são as principais causas da perda de faturamento das empresas operadoras, sejam públicas ou privadas.

De acordo com os cálculos do Trata Brasil, todo o volume perdido em 2013 equivale a 6,5 vezes a capacidade do Sistema Cantareira (sem considerar as reservas técnicas).

Conforme a pesquisa, as perdas de água representam um entrave para a expansão das redes de distribuição do saneamento além de aumentar a pressão sobre os recursos naturais, agravando quadros de escassez hídrica, já que mais água precisa ser retirada da natureza.

Conheça agora as dez cidades que mais perdem água (na distribuição) e dinheiro (perdas de faturamento) no Brasil:

1) MACAPÁ (AMAPÁ)
Índice de perda na distribuição em 2013: 73,56%
Índice de perda de faturamento: 73,91%
Índice de atendimento total de água: 38,82%
População em 2013: 437.256

2) JABOATÃO DOS GUARARAPES (PERNAMBUCO)
Índice de perda na distribuição em 2013: 70,63%
Índice de perda de faturamento: 65,45%
Índice de atendimento total de água: 53,96%
População: 675.599

3) PORTO VELHO (RONDÔNIA)
Índice de perda na distribuição em 2013: 70,33%
Índice de perda de faturamento: 68,87%
Índice de atendimento total de água: 30,77%
População: 484.992

4) PAULISTA (PERNAMBUCO)
Índice de perda na distribuição em 2013: 67,43%
Índice de perda de faturamento: 58,49%
Índice de atendimento total de água: 85,43%
População: 316.714

5) CUIABÁ (MATO GROSSO)
Índice de perda na distribuição em 2013: 67,29 %
Índice de perda de faturamento: 64,50%
Índice de atendimento total de água: 93,03%
População: 569.830

6) SÃO LUÍS (MARANHÃO)
Índice de perda na distribuição em 2013: 67,24%
Índice de perda de faturamento: 68,61%
Índice de atendimento total de água: 90,15%
População: 1.053.922

7) VÁRZEA GRANDE (MATO GROSSO)
Índice de perda na distribuição em 2013: 64,35 %
Índice de perda de faturamento: 65,91%
Índice de atendimento total de água: 98,26%
População: 262.880

8) MACEIÓ (ALAGOAS)
Índice de perda na distribuição em 2013: 61,28%
Índice de perda de faturamento: 59,47%
Índice de atendimento total de água: 94,65%
População: 996.733

9) MOSSORÓ (RIO GRANDE DO NORTE)
Índice de perda na distribuição em 2013: 60,58 %
Índice de perda de faturamento: 54,20%
Índice de atendimento total de água: 93,74%
População: 280.314

10) RIO BRANCO (ACRE)
Índice de perda na distribuição em 2013: 60,21%
Índice de perda de faturamento: 60,2%
Índice de atendimento total de água: 48,97%
População: 357.194

[Conheça o estudo completo do Trata Brasil, com as 100 cidades que mais desperdiçam água]

conteúdo publicado originalmente no site EcoD

 

Leia mais:

Pesquisa revela que qualidade da água é ruim ou péssima em 40% dos rios analisados no Brasil

Dia Mundial da Água: campanhas do Akatu sensibilizam diversos públicos para uso consciente da água

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: