Arábia Saudita pretende se tornar independente do petróleo

O país criará um fundo de investimento para aplicar em outras atividades econômicas, além de fontes renováveis

Raios solares na Arábia Saudita. Crédito: Creative commons/Charlie V. Antonio

 

A Arábia Saudita, que é o maior produtor de petróleo no mundo, pretende lançar uma oferta pública  de 5% das ações da companhia petrolífera Saudi Aramco, no próximo ano. O objetivo é criar um fundo soberano no valor de US$ 2 trilhões, para investir em outras atividades econômicas. A perspectiva é que, dentro de 20 anos, o país tenha uma economia que não dependa somente de petróleo. O anúncio foi feito pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, o segundo na linha de sucessão do trono, no dia 1 de abril deste ano.

A economia saudita depende majoritariamente dos combustíveis fósseis, mas está sendo abalada pela queda dos preços do petróleo no mercado mundial. Isso tem gerado um impacto terrível nos gastos do governo árabe. Por conta disso, a Arábia Saudita propôs investir pesado em outros setores como mineração, finanças e turismo até 2030. Além disso, o país pretende desenvolver um projeto de energia solar, com a instalação de mais de 41 gigawatts de energia renovável para satisfazer, pelo menos, 30% das suas necessidades energéticas até 2032.

O plano da Arábia Saudita de substituir energias fósseis por renováveis é muito positivo, não só para o país, mas também é um grande exemplo para o mundo. Para essa transição, e depois dela, é cada vez mais importante o papel do consumidor. Consumir energia de forma consciente é optar por fontes mais sustentáveis já existentes e demandar do mercado soluções de qualidade e em quantidade adequadas, além de utilizar o necessário para garantir bem-estar, sem desperdício. Apoiar o desenvolvimento de fontes renováveis de energia e à educação para o consumo consciente também são formas de contribuir para um futuro mais sustentável.

 

Leia também:

Investimentos em energias limpas bateram recorde mundial em 2015

Observatório do Clima defende investimentos em fontes renováveis de energia

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: