Ano novo: organize a sua casa para ficar somente com o que importa

Aproveite o início do ano para fazer uma seleção dos objetos que você tem em casa e pequenas reformas, além de adquirir novos hábitos que tragam impactos positivos para sua vida e para o meio ambiente; confira as nossas dicas.

 

Inspirados pelo simbolismo da virada do ano, de um ano que começa novinho em folha, no mês de janeiro somos tomados pela vontade de renovar. Que tal renovar para deixar a vida mais prática, próspera e agradável? Esse impulso pode melhorar as nossas vidas, se passarmos a cuidar melhor daquilo que temos e se mudarmos alguns comportamentos.

Organizar a casa é um bom ponto de partida para quem deseja uma “vida nova” em 2018. Vale analisar cada cômodo para ver quais móveis e objetos devem ficar e dar um destino novo para aqueles que não têm mais função para você. Também é importante que as coisas fiquem dispostas de maneira acessível e com fácil identificação para você e para a sua família.

Os benefícios dessa arrumação vão além dos ganhos estéticos e de bem-estar. Quando sabemos o que temos à nossa disposição em casa, podemos fazer um melhor uso dos itens e evitar a compra de objetos desnecessários ou até “repetidos”. Roupas, alimentos e ferramentas podem durar mais se forem guardados em boas condições e não serão esquecidos no fundo de um armário, de uma gaveta ou de uma prateleira.

O resultado disso é a redução de desperdícios: dos recursos naturais, de tempo, de trabalho e de energia necessários para produção e transporte de um produto, e inclusive do seu próprio tempo e dinheiro.
Pronto para a arrumação? Arregace as mangas e siga as nossas dicas:

COZINHA

– É preciso ficar sempre de olho na geladeira e na despensa para saber quais são os alimentos que devem ser usados primeiro, para evitar que eles estraguem – a produção de alimentos, além de custar dinheiro, gasta muitos recursos, como a água, e tem forte impacto no meio ambiente. Mantenha o hábito de listar os alimentos que você tem em casa, especialmente antes de ir ao mercado ou à feira.

– Ao guardar os alimentos no armário, tenha o hábito de colocar na frente ou em cima os mais antigos e atrás ou em baixo os mais recentes. Assim você usará antes os mais antigos e deixará os mais novos para depois, reduzindo o desperdício.

– Tenha potes de vidro ou plástico com tampa, para guardar alimentos como batata-palha, macarrão e granola, após aberta a embalagem original. Dê preferência aos potes herméticos, que evitam a entrada e saída de ar. Confira as orientações da embalagem para ver se o alimento deve ser conservado dentro ou fora da geladeira. E não se esqueça de colar uma etiqueta (use fita crepe, para ser fácil mudar) no pote com a data de validade.

– Dê uma olhada cuidadosa no armário e tire de lá os acessórios, utilitários e equipamentos que você acha que nunca serão utilizados. É besteira deixar esses objetos parados ocupando espaço na sua casa. Se eles ainda puderem ser úteis para alguém, venda ou doe. Se estiverem quebrados, veja se dá para consertar. Em último caso, encaminhe para a reciclagem ou descarte de forma consciente.

– Caso ainda não faça a separação de resíduos, tenha duas latas, uma para os resíduos orgânicos (restos de alimentos, papéis sujos) e outra para os resíduos recicláveis. Clique aqui e saiba mais detalhes sobre a separação de resíduos.

QUARTOS E ARMÁRIOS

– Mantenha no armário só o que ele pode comportar. Se as peças ficam entulhadas, elas ficam “escondidas” e acabam por não ser usadas – o que é um desperdício de dinheiro, recursos naturais e trabalho necessários para a produção dessas peças. Analise os itens de vestuário com frequência, selecionando aquelas que você não quer mais – troque, doe ou venda!

– Nas mudanças de estação, reorganize o armário. Procure selecionar as roupas que você vai usar mais e deixá-las mais acessíveis. Certificar-se que as peças que serão guardadas por um bom tempo estão limpas evita manchas que poderão estragar a roupa permanentemente.

– Para peças menores, como meias, roupas íntimas e acessórios em geral (cintos, relógios, bijuterias e joias), um bom recurso são os chamados organizadores de gaveta, que oferecem diferentes compartimentos que evitam “sumiços” e danos. Com isso, você pode evitar problemas como perder apenas um pé de meia ou estragar um sutiã que ficou deformado na gaveta. É importante que esses organizadores tenham “respiros” que deixem o ar entrar, para evitar a formação de mofo.

– Malhas e tricôs, geralmente usados apenas em alguns meses do ano, não devem ser pendurados, pois as peças esticam. Prefira dobrá-los e mantê-los em prateleiras. Em último caso, apele para as gavetas, mas cuidado para não enchê-las até borda, evitando que o ato de abrir e fechar danifique as peças.

– No caso dos jeans e calças que você usa bastante no dia a dia, guarde de uma forma que facilite a visualização: dobrados em prateleiras ou em cabides individuais.

– Proteja as roupas de uso menos frequente, como vestidos de festa e paletós, com capas feitas com material “respirável” como TNT ou algodão. As capas de plástico favorecem o surgimento de mofo e podem estragar a peça. É importante dar vida longa às peças de roupa, não só para fazer valer o dinheiro gasto, mas por que elas consumiram muitos recursos naturais e humanos durante a sua produção.

– Caso prefira manter os calçados em suas caixas originais, faça furinhos nelas para que o ar circule e isso evite a criação de mofo.

– No caso das bolsas, procure reservar um espaço que permita que elas fiquem visíveis e não sejam esquecidas. Para preservá-las, é recomendável deixá-las de pé, preenchidas com plástico-bolha ou papel de seda, para que não deformem.

DEPÓSITO

– Sabe aquele “quartinho da bagunça” onde você guarda equipamentos de manutenção da sua casa como o aspirador de pó, furadeira elétrica, ferramentas e outras traquitanas? Vale também fazer uma operação pente fino para avaliar o que você deve ou não manter lá. Isso é importante para evitar que objetos fiquem parados inutilmente – caso você perceba que nunca irá utilizá-los, melhor vendê-los ou doá-los do que deixa-los se deteriorar sem uso. Uma possibilidade também, se você mora em condomínio, é propor a montagem de uma central onde esses equipamentos possam ficar, sendo usados por todos os condôminos. Assim, os equipamentos passam a ter maior uso e ninguém precisa ter a posse individual de nenhum deles.

ESCRITÓRIO

– Mantenha a limpeza dos livros, para que tenham vida longa. Uma vistoria e uma limpeza anual já são suficientes. Retire todos os livros, limpe-os com um paninho seco e depois limpe a estante com um pano úmido. Aproveite esse momento da limpeza para separar aqueles que você não quer mais. Venda, troque ou doe esses livros, que estão ocupando espaço na sua casa e serão úteis para outras pessoas.

– Organizar os seus livros ajuda a preservá-los e encontrá-los com mais facilidade quando for preciso. No caso de quantidades pequenas de livros, o recomendável é ordená-los apenas por autor e/ou título. Se você tiver muitos livros, ordene os livros por área do conhecimento. Em seguida, dentro de cada tema, os livros podem ser organizados por autor e título. Se houver obras de diferentes idiomas, este também pode ser um bom critério de organização.

– Aproveite para separar os papéis que não são mais usados. Procure usar a frente e o verso dos papéis. Aproveite-os para fazer impressões de rascunho e, após o seu uso completo, destine o papel à reciclagem, de preferência sem dobrar, molhar ou rasgar, para facilitar o trabalho dos recicladores. Pique apenas se eles contiverem dados sigilosos.

ILUMINAÇÃO GERAL

– A troca de lâmpadas fluorescentes por lâmpadas LED pode trazer uma economia de energia considerável. A vida útil das lâmpadas de LED é de cerca de 16 anos, 5 vezes maior que uma fluorescente. A maior durabilidade significa que, em um período de 16 anos, será necessário trocar as lâmpadas de LED apenas uma vez contra cinco trocas das lâmpadas fluorescentes. O preço da lâmpada LED é mais alto, mas a troca vale porque, em pouco mais de 3 anos, o gasto maior na compra da lâmpada LED será compensado com o gasto menor na conta de energia elétrica.

– E, se for comprar eletrodomésticos novos como parte das festas de final de ano, verifique o selo da Procel antes de fazer sua escolha, que tem a finalidade de mostrar ao consumidor, entre os equipamentos e eletrodomésticos à disposição no mercado, quais são aqueles que consomem menos energia.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: