Água reutilizada da máquina de lavar gera economia de até 27% na conta

Sistema inteligente reaproveita o recurso que iria direto para o esgoto em atividades como a lavagem de calçadas

Um sistema que reusa a água da máquina de lavar desenvolvido pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) reduz, em média, o gasto na conta de água residencial em até 27%. O projeto está sendo desenvolvido em 40 residências do bairro CPA III, em Cuiabá (MT), a um custo de R$ 1.100 por instalação, com verba do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

A invenção consiste em dois reservatórios e uma bomba de água. A primeira água da lavagem de roupas, que contém matéria orgânica e sabão, é jogada diretamente no esgoto, enquanto as águas seguintes seguem para o primeiro reservatório. De lá, o líquido não-potável é enviado para um segundo recipiente e reaproveitado em descargas sanitárias, torneiras de calçadas e plantas ornamentais de jardim.

Caso a família passe muitos dias sem utilizar a lavadora de roupas, o sistema puxa automaticamente a água potável da caixa d’ água para o reservatório de reuso. Já o contrário não é permitido, o que descarta o risco de contaminação. Rafael de Paes, engenheiro mestre em Hidráulica e Saneamento e responsável pela implantação do projeto no bairro de Cuiabá, diz que, em média, a privada sanitária representa 35% do total do gasto de água de uma residência.

Enquanto o projeto não é comercializado, é possível reproduzir esta economia de forma modesta em sua própria casa, colocando a água que iria direto para o esgoto em baldes a serem usados para a lavagem de calçadas, carros e até para regar plantas. É bom lembrar que, para o uso em plantas, a primeira água que sai da máquina não deve ser reaproveitada, pois é carregada de dejetos orgânicos e sabão.

O sistema de reuso da UFMT está em estudo há sete anos e já obteve reconhecimento fora da Universidade. O projeto foi finalista do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social e escolhido como tecnologia social com potencial de transformação e reaplicação no 2º Fórum Nacional da Rede de Tecnologias Sociais (RTS), realizado em Brasília.

 

Fruto da necessidade

A experiência da Universidade Federal de Mato Grosso teve início na residência de um casal de professores da instituição, Nicolau Priante Filho e Josita Correto Priante. Em razão da constante falta de água na região, eles observaram que era possível aproveitar a mesma água para outras atividades da casa. A partir daí, a ideia foi oferecida a outros professores e pesquisadores da UFMT, que acabaram por tocar o projeto.

 

* Com informações da Fundação Banco do Brasil

Se você quiser seguir o Akatu no twitter, clique aqui.

Acompanhe também o Akatu no facebook.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: