Ações sustentáveis dão prêmio internacional ao Banco Real ABN AMRO

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio – ONU 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome; 2- Atingir o ensino básico universal; 3- Promover a igualdade…

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio – ONU

1- Erradicar a extrema pobreza e a fome;

2- Atingir o ensino básico universal;

3- Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres;

4- Reduzir a mortalidade infantil;

5- Melhorar a saúde materna;

6- Combater o HIV/AIDS, a malária e outras doenças;

7- Garantir a sustentabilidade ambiental;

8- Estabelecer uma Parceria Mundial para o Desenvolvimento.

O Banco Real ABN AMRO – parceiro pioneiro do Instituto Akatu – foi anunciado no dia 2 de maio como uma das dez instituições do mundo inteiro a ganhar o Prêmio Empresarial Mundial, que destaca as melhores práticas do setor privado para combater a pobreza e contribuir para os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, da ONU (Organização das Nações Unidas). O banco brasileiro foi reconhecido não só por suas ações sociais, mas também por incorporar as metas da ONU às operações e às tomadas de decisão da empresa.

O Relatório de Sustentabilidade do Banco Real ABN AMRO relaciona cada iniciativa de responsabilidade social da instituição a um determinado Objetivo do Milênio. Os financiamentos socioambientais (linhas de crédito a juros menores para projetos ambientais, sociais e educacionais), por exemplo, contribuem para o sétimo Objetivo (Garantir a sustentabilidade ambiental) e para o oitavo (Estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento). O programa de microcrédito, que oferece empréstimos a microempreendedores da periferia de São Paulo, Campinas e Baixada Fluminense, contribui para atingir o oitavo e o primeiro Objetivo do Milênio (Erradicar a extrema pobreza e a fome).

Organizado pela CIC (Câmara Internacional de Comércio), pelo PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) e pelo Fórum Internacional de Líderes Empresariais Príncipe de Gales, o Prêmio Empresarial Mundial foi concedido também a outras nove ações no mundo, abrangendo iniciativas como microcrédito na Índia, combate à Aids em Botsuana, construção de moradias no México e distribuição de comida em países em desenvolvimento.

Esta é a quarta edição do prêmio, que reconhece o papel fundamental das empresas para que sejam atingidas as metas estipuladas pela ONU.

“Essas iniciativas representam o melhor da atividade empresarial em todo o mundo, pois utilizam a capacidade inovadora e produtiva que contribui para tornar as sociedades em que as empresas atuam um melhor lugar para viver e trabalhar”, afirmou o secretário-geral da CIC, Guy Sebban.

Os vencedores foram selecionados por um júri chefiado pela ex-presidente da Irlanda e presidente da Iniciativa para a Globalização da Ética, Mary Robinson, e formado por representantes de organizações empresariais, sindicais, acadêmicas e de pesquisa, além de CIC, PNUD e Fórum Internacional dos Líderes Empresariais. Participavam da disputa 73 projetos de 33 países.

A cerimônia de premiação ocorre em Nova York, em 10 de maio. Um dia antes, os ganhadores vão apresentar seus projetos na sede da ONU, à Comissão das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável.

Os vencedores

  • Aaviskaar India Micro Venture Capital Fund:oferece empréstimos a pequenas e médias empresas na Índia, para combate à pobreza.

  • Africa Comprehensive HIV/AIDS Partnership (ACHAP), da Merck:luta contra a Aids em Botsuana.

  • EcoLogic Finance:financia a conservação ambiental em regiões vulneráveis da África e da América Latina.

  • Global Alliance for the Elimination of Lymphatic Filariasis (GAELF), da GlaxoSmithKline e da Global Community Partnerships: liga os ministérios da Saúde com 40 parceiros para combater a elefantíase.

  • Health Care Logistics da VidaGás e da VillageReach:fornece gás propano a serviços de saúde na zona rural de Moçambique.

  • Patrimonio Hoy, da Cemex Mexico:Ajuda a Cemex a prover moradia para pessoas de baixa renda no México.

  • Siwa Sustainable Development Initiative da Environmental Quality International (EQI):investe em projetos de proteção do patrimônio em Siwa (Egito).

  • SOLO da Eczacibasi–Georgia–Pacific e da Ipek kagit:promove a higiene pessoal em escolas primárias da Turquia, para prevenir doenças.

  • Sustainable Development in Banking do Banco Real / ABN Amro:incorpora os Objetivos do Milênio às operações da empresa no Brasil.

  • Tetra Pak Food for Development da Tetra Pak:distribui merenda a estudantes em países em desenvolvimento e países de economia em transição.

Consumo consciente

O consumidor pode agir em prol da sustentabilidade do planeta por meio de suas escolhas conscientes. Optar por produtos e serviços de empresas responsáveis e que têm posturas social e ambientalmente corretas é um dos caminhos para disseminar o consumo consciente.

Empresas destacadas na área de responsabilidade social, além de oferecerem produtos e serviços que geram o mínimo de impacto ambiental e influem positivamente na sociedade, agem, elas também, como consumidores conscientes. Isso porque, na sua cadeia produtiva, optam por fornecedores responsáveis. 

Se você quiser seguir o Akatu no Twitter, clique aqui.

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: