O desafio da energia limpa nos países emergentes do BRICS

Na 8ª Cúpula Anual do BRICS, realizada neste mês em Goa (Índia), foi discutido o apoio do NBD para projetos de desenvolvimento sustentável e energias renováveis

Goa (Índia), cidade que sediou o evento. Crédito: Creative commons/Navin Sigamany

 

Comentário Akatu: o apoio financeiro do Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS a projetos de energia limpa é uma importante contribuição para acelerar os investimentos nessa área e permite acelerar o passo rumo a um desenvolvimento mais sustentável na região. As energias renováveis – como a solar e a eólica – não poluem e não emitem gases de efeito estufa, reduzindo a contribuição às Mudanças Climáticas. Iniciativas como esta do Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS assim como outras políticas públicas que viabilizem a aplicação de  alternativas mais sustentáveis devem ser valorizadas e apoiadas pelo consumidor consciente de forma a indicar aos governantes a importância dada a soluções com qualidade e em quantidade adequadas a acelerar a caminhada rumo a um futuro sustentável.

 

Nos dias 15 e 16 de outubro, os líderes de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul se reuniram para a 8ª Cúpula Anual do BRICS na cidade indiana de Goa. Um dos tópicos na discussão entre os chefes de governo do grupo de países emergentes foi a atuação do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), criado pelo BRICS para financiar projetos de desenvolvimento nesses países, no apoio para projetos de desenvolvimento sustentável e energias limpas.

Cerca de 2/5 do investimento mundial em energia limpa em 2015 ocorreram na China, Índia, Brasil e África do Sul – sendo que, do total de US$ 133 bilhões aplicados nesses países, US$ 110 bilhões financiaram projetos apenas na China. Até o momento, o NBD financiou mais de US$ 900 milhões nos cinco países, e a ideia do grupo é ampliar o crédito para até US$ 2,5 bilhões no final de 2017.

No entanto, mesmo que esse montante seja atingido no ano que vem, o NBD ainda está distante de fazer a diferença efetiva no impulso a projetos de energia limpa nos BRICS. Segundo estudo divulgado pelo Instituto de Economia e Análise Financeira de Energia (IEEFA, sigla em inglês), os cinco países emergentes precisam investir cerca de US$ 50 bilhões anuais para aumentar sua capacidade de energia de forma a cumprir as metas para energia renovável apresentadas por eles em suas contribuições nacionalmente determinadas pretendidas (INDC, sigla em inglês) para o Acordo de Paris.

O estudo destaca a importância de instituições públicas de fomento nacional e internacional, como o NBD, para que os países emergentes do BRICS possam avançar na geração de energias limpas de acordo com seus compromissos no âmbito do esforço global contra a mudança do clima.

Nos últimos anos, o avanço das energias limpas no BRICS tem sido díspar. Enquanto a economia chinesa vem passando por uma verdadeira revolução energética, com grandes investimentos em fontes renováveis de energia, a Rússia não avança nesse setor. Essa diferença reforça a importância de instituições externas de fomento, em particular o NDB, para a promoção de projetos de energias limpas nos principais países emergentes.

“O NDB planeja aumentar sua carteira de crédito em cerca de US$ 1,2 bilhão por ano ao longo dos próximos três anos, o que é apenas 11,7% do capital incremental exigido pelas instituições públicas”, aponta Jai Sharda, um dos autores do estudo. “Portanto, existe uma clara necessidade de aumentar a taxa com a qual ele implanta capital adicional. Além disso, o NDB precisa garantir que, daqui em diante, ele continue a se concentrar no financiamento de projetos de energia renovável”.

A agenda climática precisa ser colocada no cerne da agenda econômica dos BRICS”, defendeu Ana Toni, diretora-executiva do Instituto Clima e Sociedade. “Energia é uma premissa vital do crescimento econômico e da inclusão social e, com a entrada em vigor do Acordo de Paris, o único caminho possível é o das energias limpas.”

Um desafio para o NDB avançar no apoio a projetos de energias renováveis é a instituição ter critérios e conceitos claros sobre desenvolvimento sustentável. “Embora o NDB tenha definido determinados tipos de investimentos como elegíveis para financiamento, a falta de uma definição clara do que é desenvolvimento sustentável permite que alguns projetos, como o ‘carvão limpo’, acabem sendo financiados pelo Banco”, explica Srinivas Krishnaswamy, CEO da Vasudha Foundation (Índia). “Se o NDB vai ser algo novo, ele terá de romper com o modelo até agora seguido de apoiar modelo de desenvolvimento orientados para a extração”.

 

Leia mais:

Energias renováveis já são mais baratas do que combustíveis fósseis

Brasil é um dos dez maiores investidores em energia renovável do mundo, segundo o PNUMA

Investir em transporte movido a energia limpa é essencial no combate às Mudanças Climáticas

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: