Como evitar o desperdício de alimentos em casa

Medidas de economia podem reduzir impactos negativos no meio ambiente e no seu bolso

Crédito: Getty Images

O desperdício de alimentos tem uma série de impactos sociais e ambientais e deve ser evitado a todo custo. Água, energia e trabalho são desperdiçados junto com os alimentos.

Além de todos os impactos negativos mencionados, desperdiçar alimentos traz mais um prejuízo: para o bolso.

Uma família que gasta, em média, R$ 650 ao mês com alimentos e desperdiça quase um terço disso “joga fora” mais de R$ 180 ao mês!

Com medidas simples, como comprar e cozinhar somente o necessário, consumir os alimentos antes de estragarem e os aproveitar bem no momento da preparação, por exemplo, é possível diminuir bastante esse desperdício, tanto de comida quanto de dinheiro; Se o desperdício da mesma família caísse pela metade, seriam economizados R$ 91,20 por mês, ou quase R$ 1095 ao ano.

E mais, se esse dinheiro – facilmente economizado – fosse depositado mensalmente em uma poupança com rendimento anual de 6%, ao final de 70 anos renderia mais de um milhão de reais. Vale a pena reduzir o desperdício.

– Planeje o cardápio semanal, liste os ingredientes necessários para produzir esses pratos e compre a quantidade necessária para o preparo. Não esqueça de verificar o que você já tem em casa antes de preparar a lista.

– Dedique atenção especial aos alimentos perecíveis, que se estragam mais rápido, buscando comprar em quantidades menores e mais vezes por semana se possível.

– Não vá às compras de alimentos com fome, pois isso pode induzi-lo a comprar em excesso.

– Dê preferência a frutas, verduras e legumes da época. Assim, esses produtos não virão de tão longe e chegarão mais frescos, durando mais sem estragar. Além disso, os alimentos produzidos na época mais propícia para o seu crescimento exigem uma menor utilização de agroquímicos e insumos em sua produção do que os produtos fora de sua época ideal.

– Dê preferência aos alimentos produzidos em locais próximos ao que você vive. Essas escolhas diminuem o tempo de transporte e o alimento dura mais tempo. Além disso você contribui para a economia e governança local, além de

– Ao estocar os produtos no armário ou na geladeira, coloque na frente ou em cima os mais antigos e atrás ou em baixo os mais recentes.

– Se for congelar os alimentos, separe em pequenas porções, equivalentes ao consumo de uma refeição.

– Atente-se às recomendações de armazenamento nas embalagens – Boa parte das perdas de alimentos em residências é derivada da estocagem inadequada dos produtos: alguns devem ir a geladeira, outros precisam ficar em ambientes secos e sem incidência solar etc.

– Utilize os alimentos integralmente: ou seja, inclua sementes, talos, folhas e cascas nas receitas. Muitas vezes as partes dos alimentos que jogamos fora são extremamente nutritivas e ricas em fibras. Conheça algumas receitas interessantes para aproveitar integralmente os alimentos aqui.

– Reaproveite alimentos que são sobras de uma refeição e que muitas vezes ficam “perdidos” na geladeira, que podem se transformar em bolinhos, tortas, sopas etc.

– Use os alimentos “feiozinhos” – frutas, legumes e verduras um pouco machucados ou com formato diferente do usual são tão nutritivos quanto os que não estão machucados ou tem o formato usual. Coloque no prato só o que você vai comer.

– Coloque os restos de alimentos em composteiras para produzir adubo para seu jardim ou horta caseira, para o jardim do prédio ou uma praça comunitária. Assim, as partes dos produtos que não puderam ser consumidas como alimento retornam ao solo como nutrientes! (cuidado, pois nem todo o tipo de resto de alimentos pode ser colocado na composteira, como é o caso das carnes.)

Gostou da notícia? Compartilhe!
Ajude a disseminar o Consumo Consciente entre os seus amigos.
Compartilhe:
Leia mais: