Água

Reserva de água abaixo de São Paulo corre risco de contaminação

O aquífero Guarani, segundo maior do mundo, é poluído por indústrias, lixões e canaviais

O aquífero Guarani, a segunda maior reserva subterrânea de água doce do mundo, corre sérios riscos de contaminação. Esta é a conclusão de um estudo de campo realizado por técnicos do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) do Estado de São Paulo (IPT). De acordo com o documento, as ameaças de poluição da reserva de água vêm de chorume dos lixões, resíduos industriais e agrotóxicos espalhados nos canaviais, que se infiltram no solo e subsolo até chegar aos reservatórios de água.


O estudo do IPT cobriu 143 mil quilômetros quadrados, região que o aquífero ocupa em São Paulo, porém a reserva se estende também para os Estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Minas Gerais, além de Argentina, Paraguai e Uruguai.

O coordenador do projeto no Departamento de Hidrografia e Avaliação Socioambiental do IPT, José Luiz Albuquerque, explica que o estudo se fixou nas "bordas do Aquífero Guarani – nos municípios de Ribeirão Preto, Piracicaba, São José do Rio Preto, entre outros –, onde a água fica à flor da terra e se renova lentamente, sofrendo também as maiores ameaças de contaminação".

Para a chamada área de restrição, formada por regiões de preservação permanente e reservas legais, a pesquisa recomenda projetos ambientais e exploração racional do aquífero. Para as áreas de ocupação dirigida, aquelas vulneráveis à contaminação, o documento aconselha a saída de indústrias que geram riscos ao meio ambiente e o fim do uso de agrotóxicos em canaviais. Já para a região de recuperação ambiental, degradadas pela erosão do solo, lixões e ocupações irregulares, o IPT recomenda que as autoridades criem regras particulares para cada caso.

O consumidor pode fazer a sua parte, evitando o desperdício e a poluição de água e zelando para que setor produtivo e poder público também o façam. Pequenos atos em casa, somados dia-a-dia e na população, resultam em grandes impactos. Se todos os moradores do país, por exemplo, fecharem a torneira ao escovar os dentes, a água economizada durante um mês equivalerá a um dia e meio do volume de água que cai nas Cataratas do Iguaçu. E isto ocorre considerando apenas um único e pequeno gesto de consumo, o de fechar a torneira ao escovar os dentes!

Resíduos industriais e a poluição por agrotóxicos são resultado da produção de alimentos e produtos que consumimos. Se o consumidor optar por empresas que façam corretamente o descarte de seus resíduos, vai induzir as que não estão totalmente adequadas a se tornarem mais sustentáveis para não perder mercado.

Sobre lixões, já há uma lei federal, aprovada no ano passado e regulamenta agora em 2011, que bane os lixões em todo o Brasil até 2014, mas os prefeitos não podem esperar até lá. Eles são obrigados pela lei a apresentar até agosto do ano quem, os planos municipais de gestão de resíduos. Os municípios são obrigados a substituir todos os lixões por aterros sanitários. Como os cidadãos de cada município estão se organizando para cobrar seu prefeito e participar da elaboração desses planos?

Descartar corretamente os produtos usados também ajuda na conservação da água. Só para dar a dimensão, um litro de óleo de cozinha jogado na pia polui até 25 mil litros de água. Caso ele seja entregue nos postos de recolhimento, além de evitar desperdício de água, entupimento no encanamento e poluição na rede de esgoto, o óleo de cozinha usado serve de matéria-prima para produzir biodiesel ou para produzir sabão.

Remédios vencidos ou sobras também não devem ser descartados na pia ou vaso sanitário, dado seu grande potencial poluidor. Podem ser entregues nos postos de saúde ou nas farmácias das redes Pão de Açúcar e Walmart.

É bom lembrar ainda que toda compra deixa um rastro de água em sua cadeia de produção – todo o processo que envolve o plantio e colheita ou abate ou extração, processamento, transporte, industrialização, transporte, distribuição, transporte novamente e varejo. A quantidade de água usada em toda cadeia do produto é chamada “pegada da água”. Já é possível calcular a pegada individual mensal por meio do Water Footprint.

Na Europa, algumas empresas já colocam nos rótulos o selo de pegada da água, que indica o quanto de água é usada para fazer seus produtos. Por enquanto, este selo não existe no Brasil, mas cabe aos consumidores organizados fazerem esta exigência.

 

Aquífero desprotegido

Apesar de ter sido mapeado nos anos 1970, o aquífero Guarani até hoje não tem lei que o proteja diretamente. O estudo sobre as ameaças às águas subterrâneas está em debate nos diversos comitês de bacias hidrográficas deste ano e será um dos temas do Conselho Estadual de Recursos Hídricos, ainda sem data marcada. “Os estudos devem servir de suporte para a tomada de decisão dos gestores ambientais, dos recursos hídricos e do planejamento territorial e urbano, a fim de impedir a contaminação em áreas vulneráveis e auxiliar o direcionamento da ocupação territorial”, conclui o pesquisador José Luiz Albuquerque.


O que é o aquífero?

É um conjunto de materiais geológicos que, em razão de sua característica de formação, possui espaços vazios em seu interior. Com o passar de milhares de anos, as águas ocuparam estes espaços vazios. O Aquífero Guarani é uma camada geológica de mais de 100 milhões de anos, com 1,1 milhão de quilômetros quadrados, dos quais 800 mil no Brasil.

 

* Matéria com informações da Revista Cyan.

 

Se você quiser seguir o Akatu no twitter, clique aqui.

 

Comentários

Nicholas Farias Lopes do Vale
17 jul 2011
31 2
é triste e desmotivante. mas ao mesmo tempo não sabemos a quem nos reportar para reclamações.. é lamentável a alienação e ignorância que a humanidade têm.
Responder Reportar Abuso
Fechar

Esqueci minha senha

Digite seu e-mail e clique em "Procurar" para recuperar sua senha.
Sua senha foi enviada para o e-mail informado.
Não encontramos seu e-mail em nossos registros. Se você não tem uma conta Akatu, cadastre-se aqui.
Ocoreu um erro inesperado. Por favor, tente mais tarde.
enviando...